DEFENSORIA PÚBLICA

Mulher busca ajuda para conseguir mudança de sexo na Capital

Mulher busca ajuda para conseguir mudança de sexo na Capital
04/09/2012 17:00 - Gabriel Maymone


No Centro de Referência em Direitos Humanos de Prevenção e Combate à Homofobia (Centrho), em Campo Grande, Elizabete dos Santos Rocha, de 42 anos, busca ajuda para conseguir a cirurgia de mudança de sexo. Por ter nascido hermafrodita, com os dois órgãos sexuais, aos sete anos, passou por um procedimento cirúrgico que fez a remoção do órgão masculino.

No entanto, conforme Elizabete, a escolha em manter a identidade sexual feminina não respeitou a sua vontade. “Desde criança meu comportamento e identificação é com o sexo masculino. Realizar a cirurgia para reverter essa situação é mudar toda minha vida”, explica.

O próximo passo após a mudança do órgão sexual será a do nome. Tímida, ela aguarda o procedimento para deixar Elizabete no passado e assinar como Eliaquim. “Eu quero conseguir primeiro essa primeira etapa, aí depois mudar o nome”, destaca a autônoma.

O caso de Elizabete, conforme explica a Defensora Pública de Segunda Instância, Vera Regina Prado Martins, é o primeiro registrado nos atendimentos do Centrho. “É um caso que se diferencia dos que temos atendido e, certamente, serão tomadas todas as medidas judiciais para assegurar o tratamento que se faz necessário, de tal forma a respeitar a dignidade da nossa assistida”, argumenta a defensora pública.

No mês de julho deste ano foram realizadas quatro orientações de pessoas que buscaram auxílio jurídico para ter o nome feminino nos registros civis.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".