Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Mulher acusada de maus-tratos corre risco de morte

3 MAR 10 - 05h:58
Renata Dutra de Oliveira, de 22 anos, acusada de participar dos maus-tratos que levaram à morte a filha Rafaela Dutra de Oliveira, de 3 anos, teve de ser isolada no Estabelecimento Penal Feminino de Campo Grande, Irmã Irma Zorzi. Tomando conhecimento da morte da criança, as outras detentas ameaçavam de morte a nova presa, caso ela fosse colocada em uma cela comum. As internas disseram-se revoltadas com o episódio. A direção do presídio pediu a transferência da acusada para outro estabelecimento penal, o Presídio de Trânsito. Também para lá deverá ser levado o marido dela, Handerson Cândido Ferreira, de 25 anos, o outro acusado de agredir a criança. As remoções deverão acontecer logo. Segundo informações da Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen), na tarde de segunda-feira, quando Renata chegou ao estabelecimento penal feminino, as outras internas começaram a gritar e a xingá-la, o que obrigou a colocação da acusada em uma cela individual. Informações obtidas com servidores do sistema dão conta de que a direção do presídio feminino pediu a transferência da interna para o Presídio de Trânsito, na saída para Três Lagoas. O marido dela, que está detido na sede da Delegacia Especializada em Roubos e Furtos (Derf), também aguarda a remoção. A delegada Regina Márcia Rodrigues de Brito Mota, da Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente (DEPCA), revelou que deve ouvir hoje à tarde outras seis testemunhas que podem ajudar a elucidar o caso. Mãe e padrasto da criança foram detidos em flagrante e são acusados pelo crime de maustratos com resultado morte. Caso Por volta das 6h30min do último domingo, a criança foi levada para a Santa Casa, pois havia sido vítima de agressão. A suspeita é de que o padrasto a tenha agredido, com participação da mãe. A menina morreu no hospital. Durante depoimento do padrasto e da mãe, que moram no Bairro Amambaí, houve divergências nas versões apresentadas aos encarregados das investigações. O padrasto relatou à polícia que estava sozinho com a vítima e pediu ela lavar as mãos. Como estava demorando para voltar, o homem foi verificar o que havia acontecido e encontrou a menina caída, desacordada, no banheiro. Ele então chamou a mãe da garota para o ajudar a socorrê-la. Um carro chegou ao local e a menina foi levada ao hospital.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Felpuda

BRASIL

Envolvimento de agentes de saúde pode acelerar diagnóstico de câncer

BRASIL

Tratamento para doenças raras precisa de investimentos em pesquisa

BRASIL

Motorista embriagado invade lanchonete, atropela 4 e mata jovem

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião