Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Muitas opções em forrageiras para o produtor

9 FEV 10 - 01h:50ADRIANA MOLINA
O sistema de produção que promove a integração lavoura- pecuária tem hoje mais de 15 opções de forrageiras, desenvolvidas nos últimos anos, com a finalidade de dar opções ao produtor, que atualmente é acostumado a utilizar a Brachiária ruziziensis nas rotações nos campos. A variedade, que foi a primeira a chegar ao Brasil, acabou sendo substituída na década de 80 por outras forrageiras por não apresentar resistência à praga da cigarrinha. Porém, com o desenvolvimento do sistema de integração, ela se mostrou a mais viável para a produção de palhada. Os produtores voltaram a utilizá-la em grande escala e, por conta da alta demanda no Brasil, agora a ruziziensis está prestes a ficar escassa no mercado. Por isso pesquisas têm aprimorado e incentivado o uso de outros tipos de forragens, capazes também de garantir produtividade. Entre elas estão a Brizantha piatã, Panicum aruana, Brachiária decumbens. Há ainda a Marandu, Xaraés, Massai e Tanzânia. Segundo o engenheiro agrônomo Clodoaldo Rocha de Almeida, cada uma está indicada para um tipo de produção. “Observamos que há forrageiras que respondem melhor em sistemas de rotação a longo prazo, por exemplo. Outras em sistemas mais rápidos”, diz. Entre as mais adequadas para as a longo prazo, estão as Brizanthas piatã, Marandu e Xaraés; e a Panicuns aruana, além das Massai e Tanzânia. “Nos casos em que são realizadas rotações com intervalos de lavoura e gado entre dois a quatro anos essas respondem melhor e garantem boa produtividade”, afirma o agrônomo. Mas quando se utiliza a forrageira para rotações a curto prazo (de até 6 meses) a ruziziensis é a mais indicada, conforme Almeida, pois desenvolve-se mais rápido e têm grande volume de massa. Além disso, o custo para o processo de secagem chega a ser até 50% mais barato que outras. Ela também é muito usada como palhada, substituindo o milheto. A variedade demora mais para se decompor e dessa forma protege o solo por tempo maior contra perdas de água – o que deixa a temperatura mais apropriada. “A utilização da forrageira impede ainda o mofo branco, doença causada por fungo e que ataca a soja. Ela forma uma barreira física e não permite a proliferação fúngica”, explica. Custos de produção Os preços das sementes de forrageiras por hectare variam de R$ 40 a R$ 115. Talvez por ser uma das mais baratas (cerca de R$ 40 por hectare) e com grandes vantagens na relação custo-benefício, a ruziziensis seja a mais consumida hoje no Brasil. Depois dela, a Marandu é a com preços mais atrativos para o produtor, cerca de R$ 42 por hectare. Entre as mais caras estão a Piatã, que custa R$ 70 por hectare e, em seguida a Massai, cotada em média a R$ 115 em Mato Grosso do Sul.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Futebol de 5 do Brasil <BR>chega invicto a Lima
PARAPAN-AMERICANOS

Futebol de 5 do Brasil
chega invicto a Lima

RENÚNCIA

Ministro da Fazenda da Argentina entrega cargo

Eleições primárias desencadearam uma crise no governo
SAÚDE

Kit único pode identificar patógenos causadores de infecções

kit vem sendo testado em equipamentos de última geração
INTERNACIONAL

Ataque em casamento deixa dezenas de mortos em Cabul

Estado Islâmico reivindicou a autoria do atentado

Mais Lidas