terça, 17 de julho de 2018

MS recebe recursos para iniciar combate ao tráfico de crack

25 OUT 2010Por Clodoaldo Silva, Brasília e Thiago Gomes03h:15



O Ministério da Justiça vai repassar, ainda este ano, cerca de R$ 500 mil a Mato Grosso do Sul para que no Estado também seja implantado um programa de enfrentamento ao crack. Com o dinheiro será dado o “ponta-pé ” inicial na criação de estrutura operacional interligada com outros estados para combate ao narcotráfico.
O projeto prevê a implantação de sistema nacional que vai integrar operacionalmente as principais delegacias especializadas de Polícia Civil de cada unidade da federação, formando um Grupo Permanente de Enfrentamento ao Crack (GPEC). Nesta primeira fase, o recurso liberado pelo Ministério da Justiça é para implantação desse núcleo.
O superintendente da Secretaria Estadual de Segurança Pública de Mato Grosso do Sul, Aloysio Franco de Oliveira, que esteve na última semana, em Brasília, para assinar o termo de cooperação técnica com a Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), que garante os recursos para o Estado, confirmou a adesão estadual, mas afirmou que o valor ainda é pequeno em virtude da demanda, uma vez que a maior parte da droga e armamentos que entram no País passam pelo território sul-mato-grossense.
Ele defende que a partir dessa realidade, onde Mato Grosso do Sul aparece como um corredor de passagem da droga, até mesmo pela proximidade que tem com grandes centros produtores (Bolívia e Paraguai), deveria receber um volume de recursos maior.
“É o ponta-pé inicial, é pouco, mas já é um embrião. Queremos que seja o embrião de uma grande operação em defesa do Brasil, da população brasileira”, enfatizou Aloysio Oliveira, completando que para o trabalho eficaz no combate a drogas “tem de priorizar a inteligência policial, investir no trabalho de inteligência. Os R$ 500 mil são melhores do que nada”. Este dinheiro é para usar na compra de equipamentos e de softwares que possibilitem troca de informações sobre traficantes entre as polícias estaduais.
Para o superintendente, existe o problema de que no orçamento federal são assegurados os recursos para o setor de segurança, porém, a “maioria fica contingenciado (bloqueado) pelo Governo federal”.
Essa preocupação de Oliveira existe porque com o Decreto nº 7.179, de 20 de maio de 2010 - que define as ações para articulação das polícias estaduais para o enfrentamento qualificado do crack em áreas de maior vulnerabilidade ao consumo - ficou também assegurado R$ 410 milhões em recursos extraordinários para o combate ao tráfico, sendo que R$ 120 milhões teriam sidos liberados de imediato. Entretanto, Aloysio Oliveira disse que no dia a dia faltam recursos federais para operações.

Leia Também