Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CENTRO OESTE

MS lidera casos de tuberculose na região

MS lidera casos de tuberculose na região
24/03/2011 17:50 - Laís Camargo


A população está mais informada, tosse por mais de três semanas é motivo para atenção. Hoje é dia Mundial de Combate a Tuberculose. O Brasil já reduziu em 26% a taxa de incidência da doença em 20 anos. Porém, Mato Grosso do Sul ainda é o Estado do Centro-Oeste onde mais há casos de tuberculose, que hoje já tem cura. Cerca de 4,7 mil pessoas morrem todos os anos no Brasil vítimas da tuberculose, segundo dados do Fundo Global Tuberculose Brasil. Segundo dados da secretaria de Saúde em MS no ano passado foram registrados 877 casos com 60 mortes.

A tuberculose é transmitida por uma bactéria, passada de pessoa a pessoa por meio de tosse, respiração ou fala e afeta principalmente os pulmões, podendo ocorrer também em ossos, rins e membranas que envolvem o cérebro.

É preciso ter cuidado, mas não preocupação. A tuberculose já tem tratamento e prevenção. Crianças de até 4 anos devem tomar a vacina BGC e as pessoas que já têm a doença, devem procurar auxílio médico para tratamento com medicamentos por seis meses, o que geralmente cura completamente o quadro.

Os sintomas são aparentemente simples, o que pode mascarar a doença por anos. A maioria dos infectados têm tosse seca no início, depois secreção por mais de quatro semanas, transformando-se às vezes em tosse com pus ou sangue. Até mesmo cansaço excessivo, febre baixa durante a tarde, sudorese noturna, falta de apetite, palidez, emagrecimento acentuado, rouquidão e fraqueza são indícios e tuberculose.

Felpuda


Tudo indica que o MDB não conseguiu convencer o PSDB de iniciar namoro com vistas a casamento nas eleições, e a ideia teria sido descartada. Os tucanos demonstraram que o problema deles não é o cargo: os emedebistas ofereceram a vaga de vice na disputa à Prefeitura de Campo Grande, a mesma cobiçada pelos tucanos, mas na chapa do PSD do atual prefeito. A questão, politicamente falando, seria, digamos, o oferecido “noivo”. Afe!