quarta, 18 de julho de 2018

SANIDADE ANIMAL

MS espera obter área livre de aftosa para a Zona de Alta Vigilância

27 JAN 2011Por DA REDAÇÃO17h:30

Mato Grosso do Sul pode conseguir em fevereiro  a declaração de área livre de aftosa para os municípios que compõem a Zona de Alta Vigilância (ZAV). Atingido no fim de 2005 por casos de febre aftosa, o Estado aguarda com otimismo a reunião da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) que será realizada em Paris. Na ocasião será avaliado o pedido do governo brasileiro para a revisão do status sanitário dos municípios fronteiriços sul-mato-grossenses.

Criada em 2008 para garantir o fim da aftosa na região, a ZAV abrange 12 municípios - com cerca de cinco mil propriedades - em uma faixa de 15 quilômetros de largura ao longo de mil quilômetros na fronteira do Estado com Bolívia e Paraguai. "Tivemos resultados de relatórios muito favoráveis e esperamos ter o mesmo status do resto do Mato Grosso do Sul", afirma a secretária estadual de Agricultura, Tereza Cristina Correa da Costa.

A chamada zona "tampão" é considerada de risco médio, por isso a carne de gado proveniente da ZAV só pode ser vendida após maturação e desossa. Até setembro de 2009 não era possível comercializar gado para fora do Estado - e ainda não é permitido exportações da região.

De acordo com a secretária, o Estado sofreu um encolhimento estimado de cerca de 10% em seu rebanho bovino desde 2005 e conta atualmente com cerca de 22 milhões de cabeças de gado.

"O problema é que a pecuária ficou muito tempo em situação ruim. Primeiro foi a febre aftosa, depois a queda nos preços, que tornaram os custos de produção mais altos que o da carne. Muita gente foi obrigada a vender vaca", diz, lembrando que o nível de preços já está bem melhor. Em setembro/outubro, diz ela, atingiu R$ 102, 00 a arroba no Estado. "Mas o nível de investimento no campo foi reduzido e o pecuarista ficou descapitalizado".

Tereza lembra ainda que 16 plantas foram fechadas, a grande maioria de pequenos e médios frigoríficos, mas outras grandes também se foram - como o Independência, que tinha três unidades no Estado antes de entrar em recuperação judicial, e Frialto, com uma. "A planta do Independência em Nova Andradina era considerada modelo antes da chegada do Bertin ao Estado", lamenta a secretária estadual.

Para ela, o avanço implacável do setor de papel e celulose não é uma ameaça a essa atividade econômica. "O eucalipto é o grande eixo de desenvolvimento do Estado e vai entrar na área de pecuária, mas não acabar com ela", diz Tereza Cristina. Em sua opinião, é possível plantar a espécie em 30% da propriedade e elevar a produtividade do gado.

Leia Também