quarta, 18 de julho de 2018

REDE AMAMENTA BRASIL

MS é pioneiro em projeto de amamentação

17 NOV 2010Por Silvia Tada01h:00

Mato Grosso do Sul é o primeiro Estado brasileiro a se credenciar na Rede Amamenta Brasil. As dez primeiras Unidades Básicas de Saúde da Família (UBSFs) são de Corumbá, município a 430 quilômetros da Capital. Para celebrar a adesão, cerimônia será realizada hoje, às 16h30min, no Centro de Convenções Miguel Gomes.

A Rede Amamenta Brasil foi instituída em novembro de 2008 e consiste em uma estratégia de promoção, proteção e apoio à prática do aleitamento materno na atenção básica, apoiada nos princípios da educação permanente em saúde, com o objetivo de aumentar os índices de aleitamento no País. Estima-se que a amamentação reduz em até 13% o número de morte de crianças menores de 5 anos por causas preveníveis em todo o mundo.

MS foi escolhido devido ao trabalho desenvolvido pelas secretarias estadual e municipal de Saúde, principalmente visando a redução em dois terços da mortalidade de crianças até 2015. Além disso, o Estado procura cumprir as metas estabelecidas no Pacto pela Vida, de 2006, e no Pacto Nacional pela Redução da Mortalidade Materna e Neonatal, de 2004.

São objetivos específicos do Amamenta Brasil a capacitação de profissionais de saúde, promover a discussão da prática do aleitamento materno nas unidades básicas de saúde e monitorar os índices de amamentação das populações atendidas pelas unidades básicas de saúde certificadas.

A coordenação nacional da rede é do Departamento de Ações Programáticas Estratégicas da Secretaria da Atenção à Saúde do Ministério da Saúde, representado pela Área Técnica de Saúde da Criança e Aleitamento Materno.

Certificação
As unidades de Corumbá escolhidas pelo Ministério da Saúde tiveram que cumprir critérios como garantir a participação de no mínimo 80% da equipe na Oficina de Trabalho em Aleitamento Materno, monitorar os indicadores da sua área de abrangência, construir e implementar fluxograma de atendimento à dupla mãe-bebê no período de amamentação.

A recomendação é que bebês mamem, exclusivamente, nos primeiros seis meses de vida, mantendo o aleitamento até completar dois anos ou mais. Essa atitude garante melhor qualidade de vida, menor risco de adoecer e morrer e maior possibilidade de estabelecer um bom vínculo afetivo. A vantagem para a mulher é a redução de complicações pós-parto, câncer de mama e ovários e de desenvolver diabetes. A família também ganha, pois a alimentação no seio é gratuita e os laços afetivos são reforçados.

Para os profissionais de saúde, a inserção da unidade na Rede implica em aumento das competências dos profissionais de saúde em aleitamento materno e no estímulo pela busca por mais conhecimento. Já o Sistema Único de Saúde  (SUS) tende a reduzir os atendimentos de crianças e mulheres e a saúde da população melhora.

As UBSFs certificadas são Dr. Breno de Medeiros, Dom Bosco, Dr. Gastão de Oliveira, Nova Corumbá, Dr. Humberto Pereira, Dr. Enio Cunha, Aeroporto, Beira Rio, São Bartolomeu e Rural Taquaral.

Leia Também