Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

MS amplia clientes e vendas de couros crescem 83,5%

27 MAR 10 - 04h:33
Mato Grosso do Sul exportou 83,15% mais em couro (2,7 toneladas) no primeiro bimestre deste ano, em comparação com o mesmo período de 2009, ultrapassando US$ 8,94 milhões. Os dados do Ministério do Desenvolvimento mostram que o produto do Estado conquistou novos clientes em 2010 e voltou com força ao mercado internacional. Mas o couro em estágio primário, wet blue, que chega a outros países não deixa muito dinheiro por aqui. Governo e empresários reconhecem que é preciso desenvolver a indústria e comercializar produtos mais elaborados. “O melhor seria fazer o produto acabado, há incentivos do governo para isso”, afirma o superintendente de Indústria e Comércio da Secretaria de Produção e Turismo de MS (Seprotur), Jonathas Soares de Camargo. Segundo ele, apenas uma fábrica produz couro acabado em MS, e há projetos para implantação de outras. A indústria local de calçados, por exemplo, compra todo o couro que precisa em outros estados para abastecer 80 unidades fabris porque a matéria-prima local não é adequada à produção. Trata-se do couro em estado rústico, que precisa ser beneficiado em outros lugares e só então pode ser utilizado nas linhas de produção. No fim das contas, as empresas pagam mais caro pelo material, e perdem competitividade. Para o presidente do Sindicato das Indústrias de Calçados de MS (Sindical), João Camargo Filho, “faltam curtumes que façam acabamento do couro, como tingimento e pintura”. Segundo ele, o preço da matéria-prima mais usada, o couro nobuck, cairia. Atualmente, o metro quadrado do material custa R$ 30 em estados como São Pau lo, Rio Grande do Sul, Paraná, e Goiás. Camargo Filho afirma que o Governo do Estado tem pretensões de produzir couro acabado, além de peles exóticas, como da tilápia, uma espécie de peixe. As fábricas de calçados de MS, a maioria de pequeno porte, empregam 3,5 mil pessoas. A maior empresa é a Klin, de Três Lagoas, que gera 514 postos de trabalho.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

ECONOMIA

Mercosul concluiu acordo comercial com países do Efta, diz Bolsonaro

ECONOMIA

Caixa avalia mudança para taxa prefixada no financiamento imobiliário

BRASIL

Lula se cala na Pentiti, 64ª fase da Lava Jato

BRASIL

Maia: País vive 'quase um estado autoritário', inclusive na área do meio ambiente

Mais Lidas