Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

quarta, 20 de fevereiro de 2019 - 20h34min

MPF constata desperdício de remédios na prefeitura de Corumbá

5 MAR 10 - 19h:30
     

O Ministério Público Federal (MPF) em inspeção realizada em depósito da Secretaria Municipal de Saúde Pública de Corumbá, verificou o desperdício de milhares de medicamentos pela prefeitura do município. Remédios, equipamentos e insumos com prazos de validade vencidos seriam descartados no lixão da cidade. A princípio, o despejo teria consentimento da vigilância sanitária municipal, conforme informações dos próprios funcionários responsáveis pelo local.  A inspeção foi feita após denúncia de que a Secretaria Municipal de Saúde descarregou camionetes de remédios vencidos no lixão da entrada do Assentamento Taquaral. Segundo a Polícia Federal, que verificou a informação, pessoas que trabalham no lixão confirmaram quatro despejos entre o início do ano e o período próximo ao carnaval.
        O Ministério Público Federal vai instaurar procedimento para a investigação dos fatos. Enquanto isso, o MPF recomendou ao Secretário Municipal de Ações Sociais a suspensão do descarte de medicamentos no lixão e um levantamento completo de todos os produtos vencidos e prestes a vencer dos depósitos/unidades de saúde do município.

Com informações do MFP

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Pescadores propõem redução gradativa da cota até metade da atual
AUDIÊNCIA PÚBLICA

Pescadores propõem redução gradativa da cota para pesca

CLASSIFICAÇÃO DE RISCO

Moody's diz que reforma é abrangente e, se aprovada, dará suporte a nota de crédito do país

O Brasil não tem selo de bom pagador pela Moody's.
MS deve receber 34 novos profissinais pelo Mais Médicos em marco
MAIS MÉDICOS

MS deve receber 34 novos médicos em março

Empregadores devem entregar declaração até 5 de abril
RAIS 2018

Empregadores devem entregar declaração até 5 de abril

Mais Lidas