Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

MP-RJ denuncia mãe e padrasto por tortura com ovo quente

MP-RJ denuncia mãe e padrasto por tortura com ovo quente
09/09/2010 18:15 -


     

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MP-RJ) denunciou nesta quinta-feira a mãe e o padrasto de uma menina de 8 anos por terem espancado e torturado a criança, colocando um ovo superaquecido em suas mãos. O incidente aconteceu no dia 21 de julho na residência onde Josiane Gomes Soares e Joarder Gomes Santiago moram, no bairro da Fonseca, no Rio.

Segundo a acusação, a criança foi agredida por ter pegado R$ 2,60 da carteira do padrasto. A Promotora Elisabete Abreu afirmou que "a mãe participou ativamente da tortura, nada fazendo para evitar o espancamento, ao contrário, assentiu com a conduta do companheiro, inclusive cozinhando o ovo". Ela também transcreveu no laudo um trecho que o perito afirma que "as queimaduras provocadas por objeto superaquecido nas palmas das mãos da menor podem levar a cicatrização patológica com debilidade da mobilidade das mãos".

O espancamento também produziu hematomas em todo o corpo da criança. O MP afirma ainda que, nos autos do inquérito, conduzido pela 78ª DP (Fonseca), constam diversas declarações de familiares informando que a mãe e o padrasto tinham o hábito de agredir fisicamente a criança "com o intuito de educá-la, sempre extrapolando nos meios corretivos".

        No dia seguinte à agressão, os suspeitos saíram para trabalhar e a vítima procurou ajuda no Destacamento de Policiamento Ostensivo (DPO) do Fonseca. Os acusados estão presos temporariamente pelo prazo de 30 dias.

Felpuda


As pré-candidaturas bizarras estão se espalhando nas redes sociais, nos perfis de quem acredita que esse tipo de “campanha eleitoral” poderá resultar em votos e até levar à conquista de uma vaga na Câmara Municipal de Campo Grande. Se antes isso era visto apenas no horário eleitoral na TV, agora está se espalhado como erva daninha nas redes. Como diria vovó: “Esse povo ainda se acha!” Afe!