Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

terça, 19 de fevereiro de 2019 - 22h15min

MP denuncia vereadores de Guarulhos por desvio de verba

20 JUL 10 - 21h:30
     

O Ministério Público denunciou à Justiça (acusou formalmente) 18 pessoas por desvio de verba na Câmara Municipal de Guarulhos (Grande São Paulo). Foram denunciados 12 vereadores, cinco ex-vereadores e um homem que teria participado do esquema. As investigações apuram desvios entre os anos de 2005 e 2006, forjando a compra de material de escritório e selos.

Na última sexta-feira (16), a polícia cumpriu mandados de busca e apreensão na câmara e nas casas dos investigados. Segundo a Promotoria, o desvio foi de mais de R$ 580 mil. Os vereadores usavam notas frias para justificar o uso da verba de R$ 5.000 por mês disponível para funcionamento e manutenção dos gabinetes --a verba foi aprovada por uma resolução em 2001 e suspensa em 2007.

Durante as investigações, a polícia identificou três papelarias que participavam do esquema. Um dos proprietários, identificado com Henri Diskin, teria comprado a papelaria exclusivamente para participar do desvio, segundo a Promotoria. Ele também foi denunciado na manhã de hoje.

Diskin é apontado ainda como o responsável por fraudar notas dos Correios. Segundo o Ministério Público, ele confessou em depoimento ter clonado o sistema do banco de dados utilizado por uma agência franqueada dos Correios em Cidade Tiradentes, em São Paulo, que ele usava para emitir recibos de compra de selos.

A Promotoria aponta que entre 2005 e 2006 os vereadores apresentaram notas frias de compra de selos no valor total de R$ 389 mil. Já as notas frias fornecidas pela papelaria de Diskin chegam a R$ 195 mil. O fornecedor da nota ficava com 10% do valor.

Além da papelaria de Diskin --"Henri Diskin Papelaria ME"-- também foram identificadas notas falsas dos comércios "HD Papelaria & Produtos de Informática" e "Naan Mercantil Importadora e Exportadora" --segundo o MP, esta última vende autopeças e não trabalha no ramo de papelaria.

        As investigações tiveram início em outubro de 2006, depois que a Promotoria da Cidadania de Guarulhos encaminhou ao Ministério Público Federal centenas de cópias de notas fiscais emitidas pelas três papelarias.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

CRISE NO GOVERNO

Contra crise, Bolsonaro pede que equipe trate Bebianno como 'página virada'

FUTEBOL 2019

Elenco do Fluminense faz greve e não treina em protesto por falta de salários

BRASIL

Pacote anticrime não atrapalha andamento da reforma da Previdência, diz Moro

CRISE NO GOVERNO

Exonerado, Bebianno retira foto com Bolsonaro em rede social

Mais Lidas