Quinta, 22 de Fevereiro de 2018

Dourados

Movimentos populares pressionam por cassação

9 DEZ 2010Por Fábio Dorta, de Dourados02h:20

Representantes dos movimentos populares organizados prometem comparecer hoje à sessão extraordinária da Câmara de Dourados, em que será votado o pedido do Diretório Municipal do PPS pela abertura de abrir comissões para cassar os mandatos de oito vereadores presos na Operação Uragano da Polícia Federal. A presença massiva pretende pressionar a aprovação dos processos.

De acordo com o coordenador do Comitê Regional de Defesa Popular (formado por mais de 30 sindicatos e entidades de classe), Ronaldo Ferreira, a cassação dos mandatos é um desejo da população douradense para o qual os vereadores não podem dar as costas. "Nós vamos acompanhar a sessão e cobrar dos nossos representantes no legislativo que as comissões processantes sejam instaladas", afirmou.

O PPS protocolou na semana passada os pedidos de cassação dos mandados dos vereadores Cláudio Marcelo Hall, o Marcelão (PR), Humberto Teixeira Júnior (PDT), Aurélio Bonatto (PDT), Paulo Henrique Bambu (DEM), Marcelo Barros (DEM), Zezinho da Farmácia (PSDB), José Carlos Cimatti (PSB) e Júlio Artuzi (PR).

Todos já estão afastados preventivamente dos cargos desde o último dia 5 de outubro, por um período de 90 dias em decisão do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJMS). Outro vereador preso na operação da Polícia Federal, o ex-presidente da Câmara Sidlei Alves (sem partido) renunciou ao cargo na semana passada.

Caso na sessão de hoje, marcada para as 9h, os vereadores aprovem o pedido de abertura das oito comissões processantes, a Mesa Diretora fará em conjunto com os partidos e as bancadas a indicação dos três integrantes de cada comissão. A partir da instalação oficial, cada Comissão Processante tem 90 dias de prazo para concluir os trabalhos. 

Leia Também