Motociclistas querem redução do valor do seguro obrigatório

Motociclistas querem redução do valor do seguro obrigatório
15/06/2008 16:01 -


     

         Ao realizar um churrasco na porta do prédio onde fica o apartamento do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em São Bernardo do Campo, um grupo de motociclistas procurou chamar a atenção para as reivindicações da categoria. Um documento contendo quatro solicitações foi entregue, no final da manhã de sábado, a um dos assessores de Lula pelo presidente da Associação dos Mensageiros e Motociclistas de São Paulo, Ernane Pastore.
        ?O que nós queremos é que o governo dê um desconto de 50% sobre o pagamento do seguro obrigatório àqueles que, no período, não tenham se envolvido em um acidente e, portanto, não tenham feito uso desse seguro?, justificou Pastore, referindo-se a um dos quatros pedidos.
        A categoria quer ainda a revogação das resoluções 203 e 219, que tornaram obrigatórios o uso de capacete e colete com faixa refletiva. Pastore argumenta que o colete é muito quente e que a medida, na realidade, ?fez com que dois milhões de motociclistas de todo o país ficassem reféns de fabricantes."
        Uma outra solicitação é a isenção da cobrança de pedágio nas estradas federais e mais investimentos em educação no trânsito . ?A Constituição prevê que o dinheiro arrecadado com as aplicações de multas seja destinada à educação no trânsito e nós não temos visto isso ocorrer?, disse Pastore.
        

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".