CIDADES

Motociclista morre em acidente com caminhão na Mascarenhas

Motociclista morre em acidente com caminhão na Mascarenhas
11/09/2010 09:16 -


bruno grubertt

Renato Pinheiro Lima, de 29 anos, morreu ontem de manhã em acidente que envolveu um caminhão e a motocicleta que ele conduzia. A colisão ocorreu no Bairro São Francisco, em Campo Grande, por volta das 10h30min.
De acordo com testemunhas, o caminhão seguia pela Avenida Mascarenhas de Moraes, no sentido do bairro para o centro, quando sinalizou que faria a conversão à direita, na Rua Passos. O motociclista, então, passou pela direita do caminhão, como se fosse ultrapassá-lo. Foi neste momento que o caminhão bateu na motocicleta Honda CB-300 e arrastou o motoqueiro e o veículo por toda a curva.
O Corpo de Bombeiros foi ao local do acidente, mas quando os militares chegaram a vítima já estava morta. De acordo com os bombeiros, Renato teve o tórax esmagado pelas rodas do veículo. O motorista do caminhão com placas de Ituama (MG), Ademir Braz da Silva, de 39 anos, saiu do local logo após o acidente, pois temia ser agredido. Ele foi levado para a 2ª Delegacia de Polícia da Capital, que fica no Bairro Monte Castelo, para ser ouvido.
Segundo as testemunhas, nem o caminhoneiro nem o motociclista estavam em alta velocidade. No local, a seta do caminhão estava ligada, o que indicava que o caminhoneiro havia sinalizado antes da conversão. O trânsito não foi prejudicado na região. De acordo com moradores, não é comum que acidentes sejam registrados no local.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".