Sábado, 24 de Fevereiro de 2018

ARTES

Mostra inédita de Carybé comemora 200 anos da independência argentina

4 NOV 2010Por CRISTINA MEDEIROS15h:00
O ministro da Cultura, Juca Ferreira, participa hoje da abertura da mostra retrospectiva do artista plástico Carybé, argentino naturalizado brasileiro, na Embaixada do Brasil em Buenos Aires. Esta será a primeira exibição de obras do artista em solo portenho, desde sua morte, em 1997. A exposição, inédita, faz parte das comemorações pelos 200 anos de independência da Argentina e foi viabilizada por meio de um convênio entre o Ministério da Cultura (MinC) e a Casa Jorge Amado, no valor de R$ 286 mil.
 
“O governo brasileiro, através dos ministérios da Cultura e das Relações Exteriores, enxergou o quanto é importante promover essa aproximação com nossos países-irmãos”, destaca Solange Bernabó, filha do artista e curadora da exposição. Ela chama atenção para o caráter panamericano das obras de Carybé. “Ele foi um artista que sempre trabalhou sob a perspectiva da integração, pela arte, dos países sulamericanos”, completa. Para ela, a exposição “é um reencontro do artista, que foi brasileiro porque quis, com sua terra de nascimento”.
 
A mostra apresenta 73 obras, como quadros a óleo, desenhos, esculturas e ilustrações, produzidas por Carybé na Argentina, na Bolívia, na Itália e no Brasil. Haverá também exibição de vídeos inéditos, com o artista em momentos de trabalho, revelando um pouco de sua intimidade. A exposição será embalada por músicas de artistas como Dorival Caymmi, o compositor argentino Eduardo Falú (que escreveu peças sobre textos de Jorge Luis Borges) e o – também argentino – cantor de tango Edmundo Rivero, além de músicas cubanas e samba de roda.
 
Nascido na pequena cidade Lanús, no subúrbio de Buenos Aires, Hector Julio Páride Bernabó ficou internacionalmente conhecido como Carybé, um dos principais artistas plásticos do século 20. Depois de morar em Gênova, Roma, Rio de Janeiro e em cidades de outros países, mudou-se em 1950 definitivamente para Salvador, onde ficou até sua morte, durante uma cerimônia no terreiro de candomblé Ilê Axé Opô Afonjá, em 1° de outubro de 1997.
 
Ilustrador de vários romances de Amado, Carybé foi um dos instituidores da Fundação Casa de Jorge Amado, no Pelourinho. O artista é um dos mais importantes das artes plásticas do Brasil no século 20, tem reconhecimento nacional e internacional por meio de ampla obra pictórica, especialmente desenhos e aquarelas; além dos murais, esculturas, modelagens, técnicas mistas, e demais linguagens visuais. A temática étnica é predominante em sua obra.
 

Leia Também