Campo Grande - MS, domingo, 19 de agosto de 2018

MUNDO

Mortos na Síria chegam a 112 após dia de protestos contra o governo

23 ABR 2011Por TERRA11h:46

Ao todo, 112 pessoas morreram na Síria nesta sexta-feira, no dia de protestos mais sangrento desde que começaram as manifestações contra o regime do presidente Bashar al-Assad, segundo ativistas da oposição. Os números estão na página do grupo The syrian Revolution no Facebook, que lista ainda a identidade das vítimas.

Na "Grande Sexta-feira", houve manifestações contra o regime de Assad em vários pontos do país. Segundo ativistas de direitos humanos, muitas foram reprimidas a tiros pela polícia e agentes civis.

As manifestações aconteceram um dia depois que o presidente sírio assinou um decreto para pôr fim ao estado de emergência, vigente desde 1963, e para abolir o Tribunal de Segurança do Estado.

Para este sábado são esperadas novos protestos durante os funerais das vítimas. Segundo a oposição, algumas áreas de Damasco amanheceram cercadas pelo Exército e a polícia, enquanto na cidade central de Homs as autoridades rejeitam entregar os cadáveres a suas famílias até que estas digam à televisão que grupos de salafistas mataram seus filhos.

Os salafistas, uma corrente fundamentalista do islã sunita, e países estrangeiros não identificados foram acusados pelo regime de Damasco de estar por trás da onda de manifestações que a Síria atravessa desde meados de março.

Não houve pronunciamentos do governo de Damasco sobre estes distúrbios. A agência oficial Sana informou de um ataque, na noite de sexta-feira, contra um posto militar na localidade sulina de Izraa, que terminou com oito mortos e 28 feridos, tanto do grupo atacante como entre os militares, mas sem precisar quantas vítimas de cada grupo.

A agência também noticiou a morte de dois policiais em um ataque de desconhecidos em Damasco e na cidade central de Homs.

Protestos irradiam por norte africano e península arábica

No dia 16 de dezembro de 2010, em ato de protesto contra o governo, um jovem desempregado morreu após imolar-se em público na capital da Tunísia. Poucas semanas depois, uma onda de protestos por melhores condições varreu o país, culminando na deposição do presidente Ben Ali. Em fevereiro, o mesmo sentimento popular tomou corpo no Egito, onde a população manteve protestos massivos até a renúncia de Hosni Mubarak.

Estes feitos irradiaram pelo norte africano e pela península arábica. Na Líbia, protestos desembocaram em uma violenta guerra civil entre rebeldes e forças de Muammar Kadafi, situação que levou a comunidade internacional a intervir no país. Mais recentemente, Iêmen e Síria vêm vivendo protestos de maior vulto. Argélia, Bahrein, Jordânia, Marrocos e Omã também vêm sendo palco de contestação política.

Leia Também