ESPORTES

Morenão é interditado para a recuperação do gramado

Morenão é interditado para a recuperação do gramado
02/03/2010 06:44 -


O excesso de chuva e de jogos dos últimos 20 dias levou a Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) a interditar o gramado do Morenão por tempo indeterminado. A medida, segundo o administrador do estádio, João Jair Sartorello, tem o objetivo de recuperar o piso, castigado pelos 15 jogos ocorridos no local neste período. “Vamos deixar a grama descansar em alguns pontos e fazer o replantio em outros. Se permitirmos mais jogos, o estrago poderá ser maior e a recuperação mais difícil ainda”, explicou Sartorello. A Federação de Futebol de Mato Grosso do Sul, que organiza o Campeonato Estadual, foi comunicada da decisão e ainda não escolheu novo local para os jogos que estavam PAULO RIBAS Gramado do estádio foi castigado pelas fortes chuvas e pelos jogos disputados nos últimos 20 dias agendados para o estádio. O aumento de equipes da Capital na Série A do Campeonato Estadual é uma das explicações para o maior uso do estádio. No ano passado, Campo Grande foi representada na primeira divisão por três times e, na ocasião, o Comercial mandava a maioria de seus jogos no Estádio Jacques da Luz, nas Moreninhas. Na temporada atual, cinco equipes da Capital participam da competição e todas elas disputam seus jogos no Morenão, porque desde janeiro último, o Jacques da Luz está fechado para reforma. O primeiro jogo do Estadual afetado diretamente pela interdição do Morenão é Cene x União, que estava marcado para amanhã às 19h. Ontem, por meio de nota oficia l, a Federação de Futebol comunicou que, para resolver o problema, tenta liberação especial do Estádio Jacques da Luz. Outra opção cogitada pela entidade seria a transferência de jogos para Sidrolândia, cidade distante 60 quilômetros da Capital.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".