segunda, 16 de julho de 2018

"visitas indesejadas"

Moradores vivem sob clima de medo

20 NOV 2010Por NADYENKA CASTRO05h:25

O filho da empresária Amália de Marco, 47 anos, de apenas 12 anos, fica em casa pela manhã. A cozinha da residência é nos fundos do terreno, separada dos demais cômodos. Com medo de ir até lá, o menino não se alimenta mais no café da manhã. "Vai que o cara (bandido) pula lá (na cozinha)", receia o garoto. O representante comercial, de 48 anos, que não quis identificar-se, mandou colocar cerca elétrica para tentar evitar novas "visitas indesejadas".

No entanto, para eles, nada disso pode resolver em alguns casos. "Você constrói uma muralha, põe cerca elétrica, cachorro. Eles (ladrões) não entram, mas ficam te esperando do lado de fora. Você sai e eles te rendem", diz Amália. "A gente pode sair e se deparar com alguém aqui fora", fala Maria Lúcia, que ainda complementa: "Para nós todo mundo é suspeito, qualquer coisa a gente já olha desconfiado".

A empresária liga constantemente para os filhos e vizinha Maria Lúcia para saber "se está tudo bem". Ela até já pensou em levar os filhos para a empresa, mas a presença deles pode ser mal interpretada e ela, ser acusada de colocá-los para trabalhar. (NC)

Leia Também