Quarta, 20 de Junho de 2018

Moradores temem desemprego

25 FEV 2010Por 04h:29
demora na definição das propostas sobre o destino do lixão e também para reciclagem incomoda os catadores, que dependem do local para garantir o sustento das famílias. Eles temem que nem todos sejam beneficiados com as oportunidades na Usina de Processamento de Lixo, que irá desenvolver os trabalhos com reciclagem. Edna Chaves é catadora há mais de dez anos e atua como líder dos trabalhadores. Ela já ouviu inúmeras alternativas para o lixo. “Eles (políticos) vêm aqui especialmente na época de eleições. Estamos acostumados. Esse ano, será mais um de promessas”, queixa- se. E a mesma reclamação se repete com vários entrevistados. Por meio da assessoria de imprensa da prefeitura, o Correio do Estado recebeu a explicação de que o destino dos catadores fará parte de projeto social em conjunto com a empresa Sociedade Técnica de Engenharia e Edificações (Sotef), vencedora do certame para a obra. De acordo com a assessoria, a questão de salários, que, segundo os catadores, pode alcançar a média de até R$ 4 mil, ainda será discutida. Entretanto, a informação repassada foi de que a contratação e regime de trabalho ficarão a cargo da empresa. Ainda não há previsão dos valores que serão pagos.

Leia Também