Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PERNAMBUCO

Moradores de Olinda alugam a própria casa para foliões

Moradores de Olinda alugam a própria casa para foliões
26/02/2014 18:15 - FOLHA PRESS


Para muitos, Carnaval é época de ganhar dinheiro. Alguns são capazes de sair da própria casa para dar lugar a foliões na Cidade Alta, o coração carnavalesco de Olinda (PE).

Numa passagem pelas ladeiras do sítio histórico da cidade na semana passada, a reportagem encontrou ao menos nove casas para alugar. No início desta semana, quase todas já estavam alugadas.

A filha do artista plástico Alberto Leal, 57, está grávida, mas vai se mudar por uma semana para um quartinho no fundo da casa de três quartos e um banheiro onde devem ficar até 40 pessoas.

Leal diz que ela fica na propriedade justamente para coordenar o banheiro coletivo. "Fica todo mundo doido brincando Carnaval e aí vira bagunça. Os mais sérios têm que tomar conta dos mais brincalhões", diz Leal, que aluga a casa há 20 anos.

Em geral, o imóvel é alugado cerca de seis meses antes da folia, mas este ano ainda está disponível.

Desta sexta-feira até a próxima, o custo é de R$ 6.000. Se um grupo não fechar negócio, Leal vai aceitar turistas desamparados, a R$ 300 por pessoa.

A servidora pública Débora Duque, o namorado dela e outras 18 pessoas alugaram uma casa próxima aos Quatro Cantos, uma das áreas mais disputadas do Carnaval de Olinda.

O imóvel foi batizado pelo grupo de babydoll de nylon. "A música é um clássico de Robertinho do Recife e, há uns três anos, uma casa na mesma rua tocava essa música o dia todo", explica Débora.

Ela diz que as bebidas chegam amanhã e os foliões, na sexta. A farra vai até a Quarta-feira de Cinzas. Cada um vai pagar R$ 500 por hospedagem, comida, bebida e limpeza. Afinal, são 20 pessoas para um único banheiro.

"Não tenho ideia de como vai ser. O pessoal aluga a casa há uns anos e diz que funciona bem", diz a novata.
 

Felpuda


Sindicalista defende o fim de mordomias e privilégios dos políticos e dos integrantes de outros Poderes, conforme divulgação feita por sua assessoria. Para ele, está na hora de se colocar um basta nessa situação, questionando, inclusive, o número de parlamentares e de assessores. Entretanto, não demonstra a mesma aversão por aqueles dirigentes de sindicatos que se perpetuam no poder e que comandam mais de uma entidade, assim como ele. Afinal, o exemplo deve vir de casa, né?