Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Moradores da região do Jardim Leblon reclamam da falta de sinalização

13 FEV 10 - 07h:52
Cruzar a Rua Manoel Joaquim de Moraes na altura da Rua Clineu da Costa Moraes, na divisa do Jardim Leblon com a Vila Jussara, região da saída para Sidrolândia, é tarefa árdua para pedestres, ciclistas e motoristas. As duas ruas são de grande movimento e não há semáforo para controlar o fluxo de veículos. Com o reinício das aulas, a preocupação é redobrada, já que grande número de estudantes atravessam a via para ir à escola e voltar para casa. Moradores reivindicam instalação de semáforo ou redutor de velocidade para controlar o tráfego. As duas vias são de acesso a bairros populosos como Caiobá, São Conrado, Santa Emília, Coophavilla II, Tarumã e região. Há também fluxo intenso de ônibus de transporte municipal (Oliveira, Buriti, Bom Jardim, entre outros, que saem do Terminal Bandeirantes em direção aos bairros). A Rua Manoel Joaquim de Moraes é prolongamento da Rua Albert Sabin e é preferencial. “Tem acidente dia sim, dia não”, afirmou o comerciante Lindomar Pinheiro da Silva, que tem loja de móveis usados na esquina do cruzamento. “Teve uma vez que uma Toyota veio parar na calçada e quase entrou na loja, depois que tentou desviar de outro carro”, relatou. “Sorte que não feriu ninguém”. O vendedor autônomo Aparecido Alves das Neves, que é presidente da Associação de Moradores do Jardim Leblon, afirmou que mandou “mais de dez ofícios” solicitando a instalação do semáforo. Segundo ele, no ano passado, um motociclista morreu após acidente no cruzamento. “A situação mais perigosa é quando o ônibus para no ponto e encobre a visão de quem está na Rua Clineu da Costa Moraes. O motorista vai para frente para tentar enxergar se vem algum carro pela Rua Manoel Joaquim e nessa hora é surpreendido por outro veículo”, relatou. Absurdo A moradora Silvia Macedo contou que chegou a filmar o movimento e os flagrantes de perigo por volta das 18h, quando o tráfego é intenso. “Fiz para mostrar para as autoridades como a situação é grave. É um absurdo o que acontece e ninguém faz nada. Há cruzamentos muito menos movimentados que receberam semáforo e este foi esquecido”, indignou-se. Segundo Silvia, caso não seja tomada nenhuma providência, os moradores avisaram que irão construir um quebra-molas. “Nós mesmos faremos, já que a prefeitura não faz”. Retalhos Além da reivindicação pelo semáforo, moradores querem uma solução para os “retalhos” de rua sem asfalto do Jardim Leblon. São pelo menos cinco ruas, como a Carajás e a Felipe Calarge, que foram asfaltadas há muitos anos, mas, ao se aproximar da Avenida Marechal Deodoro, a benfeitoria ficou pela metade. “Já cansamos de pedir para a Prefeitura terminar o serviço, mas fica apenas na promessa. São trechinhos pequenos que, no entanto, causam um transtorno muito grande”, relatou Aparecido das Neves.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Utilitários ou esportivos?
CORREIO VEÍCULOS

Utilitários ou esportivos?

Confira o seu astral para esta terça-feira
OSCAR QUIROGA

Confira o seu astral para esta terça-feira

CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial desta terça-feira: "O outro lado da fronteira"

ARTIGO

Thiago Gomes da Silva: "A quem a cota zero não interessa"

Jornalista e advogado

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião