LOTERIA

Moradora de MS ganha na Mega Sena, mas perde prazo para retirar prêmio

Moradora de MS ganha na Mega Sena, mas perde prazo para retirar prêmio
26/07/2012 14:30 - TARYNE ZOTTINO


Sonia Aparecido Martins, de 42 anos, apostou em um concurso da Mega Sena que seria realizado no dia 7 de abril deste ano, porém na data do sorteio não conferiu o bilhete e acabou se esquecendo dele. Somente ontem (25), a moradora de Naviraí (MS) encontrou o papel e resolveu conferí-lo. O bilhete estava premiado, mas por ter perdido o prazo para retirar o dinheiro, a mulher não pode receber a quantia. 

“Entrei na internet, fui conferir o bilhete e levei um susto ao ver que  tinha sido premiado. Para tirar a prova, fui até a lotérica e pedi um comprovante de resultado. Ao novamente conferir, tive a certeza que realmente estava com o bilhete premiado em mãos”, declarou. Os números jogados por Sonia foram 02, 05, 06, 17, 18 e 54 e os sorteados no concurso 1378 foram: 02, 05, 17, 18, 54 e 59. Ela não conseguiu acertar as seis dezenas, mas cinco delas, fazendo assim a Quina da Mega Sena. O prêmio seria de de R$ 15.789,08 para cada um dos 74 ganhadores.

Sonia foi até a Agencia da Caixa Econômica Federal de Naviraí, onde em conversa com o gerente foi informada que não poderia retirar o seu prêmio, pois o prazo prescreveu. Os prêmios prescrevem 90 dias após a data do sorteio e ontem o concurso de Sonia completava 108 dias de realização. Após o prazo, os valores são repassados ao tesouro nacional para aplicação no Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (FIES). A moradora de Naviraí disse que vai fazer um quadro com o bilhete premiado para deixar de recordação. Na tarde de ontem, ela foi novamente à casa lotérica fazer suas apostas, mas revelou que não irá mais deixar de conferir os jogos.  

(Com informações do Tá na Mídia Naviraí)

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".