Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Monica Iozzi deixa CQC para virar repórter do BBB

Monica Iozzi deixa CQC para virar repórter do BBB
21/01/2014 11:30 - achebelem


Monica Iozzi deixou o CQC em dezembro e os boatos que deixavam clara a sua permanência fora do programa foram confirmados pela própria Rede Globo, através de sua assessoria de imprensa no início desta semana. O novo destino da repórter é o Big Brother Brasil, que está em sua 14ª edição, onde ela pode fazer entrevistas nas ruas. Contudo, nenhuma informação detalhada sobre a função de Monica no reality foi confirmada até o momento.

A última participação dela no programa da Bandeirantes foi no dia 30 de dezembro, na retrospectiva de 2013. Ao saber da saída da colega de trabalho, Felipe Andreoli lamentou através de sua conta no Instagram. “CQC - 2013. Valeu, Monica! Sentiremos sua falta! Boa sorte. All thing must past, diria George Harrison”, escreveu na legenda da imagem.

Recentemente, Oscar Filho também anunciou algo parecido, só que avisando que teria sido mandado embora da bancada do “CQC” e voltaria a ficar apenas a cargo do quadro “Proteste Já”. Ele postou um texto em sua conta oficial no Facebook explicando o acontecimento.

"Agradeço à Band, aos Diego Guebel e Barredo pela oportunidade e confiança. Aprendi pacas! E foi mal aí não ter atendido à expectativa de vocês. Ao diretor do programa, Gonçalo Marco, eu peço desculpas por ter parado com os depósitos supracitados. Achei que não precisava mais depois que começamos com a libidinagem. Que venha 2014 e vida longa ao CQC!!!", disse o humorista.

Trabalhando há bastante tempo em São Paulo, Monica Iozzi agora terá que morar no Rio de Janeiro para seguir sua carreira na nova emissora. De acordo com a coluna “Retratos da Vida”, do jornal “Extra”, ela já está em processo de gravação de seus quadros para o BBB 14, no Projac.


 

Felpuda


O desgaste de antigas lideranças nacionais, com reflexo em nível local, é a maior preocupação dos dirigentes de partidos para as eleições deste ano, que terá reflexo em 2022. Em épocas passadas, essas figurinhas cruzavam os céus do País para visitarem os municípios e pedirem que a população votasse em seus ungidos. Agora, com pendências judiciais e poder enfraquecido, dificilmente seriam convidadas. A pandemia, que resultou no isolamento social, foi a pá de cal.