Moka desqualifica ameaça do presidente do PMDB

Moka desqualifica ameaça do presidente do PMDB
08/02/2010 06:59 - LIDIANE KOBER


O deputado federal Waldemir Moka (PMDB) contestou as informações do presidente regional do PMDB, Esacheu Nascimento, afastando qualquer possibilidade de o partido punir os correligionários que não acompanharem a decisão do diretório nacional. Ele ainda destacou que a sigla deve seguir caminho oposto ao da cúpula nacional na batalha pela sucessão presidencial. Hoje, a maioria das lideranças estaduais promete acompanhar a definição do governador André Puccinelli (PMDB), que sinaliza com o apoio ao PSDB. Em contrapartida, a direção nacional tende a confirmar aliança com o PT, que tem como pré-candidata a ministra Dilma Rousseff. Segundo Moka, “não existe” qualquer chance de o diretório estadual punir as lideranças que não seguirem a decisão nacional. Ele explicou que a prioridade é garantir a reeleição de Puccinelli, portanto, a direção estadual deve seguir caminho para tentar pavimentar mais um mandato ao atual governador. Daí a aproximação com os tucanos, já que o PT insiste em lançar o ex-governador José Orcírio dos Santos (PT) para enfrentar Puccinelli nas urnas. Por diversas vezes, o governador declarou que não cogita a hipótese de dar um segundo palanque a Dilma, contrariando a tendência nacional, que trabalha com a possibilidade de a petista ter sim dois palanques, nos quais PT e PMDB vão disputar a sucessão estadual. Sem problema No entanto, conforme Moka, a divergência com a direção nacional não será um problema em Mato Grosso do Sul. Ele frisou que as lideranças estaduais têm o compromisso do presidente nacional do PMDB, deputado federal Michel Temer, de respeitar a decisão estadual em relação à sucessão presidencial. “Garantimos a recondução (como presidente nacional do partido) do Temer em troca da garantia de liberdade para definirmos nosso rumo”, contou Moka, que antecedeu Esacheu na presidência regional do partido. O parlamentar tem confiança total de que a decisão local será respeitada. “Se o PMDB de MS decidir em convenção ficar com o PSDB, ninguém vai impedir”, opinou. “A verticalização acabou e, agora, os estados têm autonomia para decidir o que é melhor”, completou. Para Moka, tudo caminha para o PMDB de Mato Grosso do Sul dar palanque ao PSDB na disputa pela sucessão presidencial. Mas, isso não significa que o partido será uma barreira para impedir a indicação de Michel Temer a vice-presidente na chapa da ministra Dilma. “Só queremos liberdade para definirmos nosso rumo”, finalizou.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".