Segunda, 19 de Fevereiro de 2018

CULTURA

Moinho In Concert une arte e meio ambiente em Corumbá

6 DEZ 2010Por DIÁRIO ONLINE20h:21

A beira do rio Paraguai foi sem dúvida o melhor local para a terceira edição do Moinho in Concert, um espetáculo que faz o encerramento das atividades da escola de artes Moinho Cultural Sul-Americano, em Corumbá. O tema desse ano foi as cabeceiras dos rios do Pantanal, um alerta para a ação do homem contaminando as suas águas.

O local escolhido – a prainha do porto geral da cidade, preferida dos banhistas de fim de semana e pescadores -, foi um desafio para a produção e para os alunos da escola, estes os protagonistas do espetáculo. Pela primeira vez o In Concert saiu do espaço da escola para se apresentar a céu aberto, com direito ao pôr-do-sol, um show a parte.

As dificuldades de áudio em um local aberto não tiraram o brilho do espetáculo, que atraiu mais de quatro mil pessoas no domingo, 05 de dezembro. Os alunos da escola, que tem a parceria da Vale e Eletrobrás, mostraram no tablado e no palco a evolução técnica que surpreende ano a ano, resultado de um trabalho profissional reconhecido nacionalmente.

Argentinos

O Moinho In Concert 2010, que será exibido no dia 25, às 08h30, pela TV Morena em rede estadual, reuniu 246 bailarinos e músicos – alunos da escola e os convidados da Bolívia e da Argentina. As coreografias e o roteiro musical seguiram o ritmo das águas pantaneiras, com apresentação impecável da Orquestra Vale Música e do elenco de dança.

O espetáculo foi aberto pelos bailarinos interpretando coreografia de Beatriz de Almeida sobre a “Pequena serenata noturna”, de Mozart. Depois, a apresentação especial dos argentinos Adriana Gladys Fakhauser e Sebastian Centurion, do grupo folclórico Neconacta. Na sequencia, o In Concert teve a direção da regente Noemi Uzeda e participação da solista Junia Rabelo.

Perfeição

A diretora artística e presidente da Ong IHP (Instituto Homem Pantaneiro), Márcia Rolon, disse que os alunos da escola realizaram uma apresentação tecnicamente perfeita, demonstrando “evolução fantástica” ao cumprir tarefas no tablado e na orquestra e coral “no limite”. Também gostou do local do espetáculo: “sempre sonhei dançar na beira do rio Paraguai”.

“O Moinho In Concert aberto, nesse ambiente maravilhoso, realmente consolida todo um ano de muito trabalho com essas crianças e jovens, um ano de grandes conquistas”, avaliou Márcia Rolon, que, bailarina, também fez parte do elenco de dança do espetáculo. “Reunimos uma platéia de todos os níveis sociais para escutar música erudita, isso é real.” As informações são da assessoria de imprensa do IHP.

Leia Também