Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

Mistério milionário

8 AGO 10 - 09h:09
Na sexta-feira, o Banco do Brasil da Afonso Pena com a 13 de Maio, no centro de Campo Grande, permanceu fechado para impedir que a direção fosse intimada por oficiais de Justiça para bloquear R$ 41,5 milhões em favor de Edyjaime Eduardo Furtado. No final da tarde, decisão do Tribunal de Justiça derrubou a ordem inicial e o banco livrou-se do risco de ser obrigado a repassar a quantia milionária ao "proprietário" da ação judicial.
Artimanhas para impedir que oficiais de Justiça consigam citar as partes envolvidas em processos são corriqueiras. Porém, a manobra utilizada pelo Banco do Brasil  certamente é inusitada e, por conta do alcance e da repercussão que teve na vida de milhares de cidadãos, precisa ser explicada nos mínimos detalhes, pois é simplesmente inconcebível que um banco oficial afronte a Justiça de maneira tão acintosa. É provável que o argumento oficial, de que havia um problema técnico que impediu a abertura das portas, venha a ser reafirmado. Porém, representantes da própria instituição confirmaram, informalmente, a versão sobre a manobra.
Por outro lado, é difícil de acreditar que a instituição financeira chegue a este ponto somente para postergar um pagamento, que cedo ou tarde deverá ser feito. A não ser, é claro, que os administradores deste banco tivessem evidências de que algo errado ou muito questionável estava em jogo. Bloqueio de R$ 41,5 milhões em favor de alguém que "comprou uma ação" judicial (inicialmente ela foi interposta por Luis Carlos Giordani Costa, filho do ex-governador Harry Amorim Costa) certamente não é brincadeira. Trata-se de uma soma estratosférica. E o indício mais forte de que algo estranho estava acontecendo é o fato de a decisão que determinava o bloqueio ter sido derrubada ainda na sexta-feira. Ou seja, se havia tanta necessidade e pressa para bloquear esta dinheirama toda, é de difícil compreensão que outro magistrado julgue de maneira exatamente oposta.
O mistério e os questionamentos a respeito do caso são gigantescos e para evitar que elucubrações equivocadas sejam feitas a respeito de todas as partes envolvidas, é impreterível que banco, advogados das partes e o próprio Judiciário façam os esclarecimentos necessários, pois se aconteceu alguma mutreta para tentar bloquear esta fortuna, os responsáveis precisam ser apontados, pois algo parecido pode acontecer no futuro e ninguém sabe quem poderá ser a próxima vítima. A soma é vultosa demais para que o caso fique encoberto por um possível corporativismo. O Conselho Nacional de Justiça está aí para analisar o caso. Isto, é claro, se houver algum indício de ilegalidade ou imoralidade.  Por outro lado, se a direção do banco simplesmente recusou-se a cumprir uma ordem judicial líquida e certa, ela precisa ser punida e afastada, pois é inaceitável que milhares e milhares de correntistas e todo o dinheiro da administração estadual permaneça numa instituição que age desta forma. Quanto maior o silêncio, maiores serão as desconfianças. Por enquanto, absolutamente todos são alvo de suspeita e quanto maior o silêncio, mais nebulosa a situação fica.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASIL

Ministério da Saúde descarta caso de coronavírus no RJ

Tribunal de Contas rejeitou recurso e manteve condenação de Dagoberto
R$ 4 MILHÕES

Tribunal de Contas rejeitou recurso e manteve condenação de Dagoberto

Ana Maria Braga revela que foi diagnosticada com câncer de pulmão novamente
APRESENTADORA

Ana Maria Braga revela que foi diagnosticada com câncer de pulmão novamente

Com maiores salários, Tribunal de Justiça poderá ter mais três desembargadores
MATO GROSSO DO SUL

Com maiores salários, Tribunal de Justiça poderá ter mais três desembargadores

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião