Segunda, 19 de Fevereiro de 2018

MUNDO

Missão do FMI avaliará sistema financeiro da Espanha

16 JAN 2011Por REUTERS17h:02

Uma missão do FMI (Fundo Monetário Internacional) chegará à Espanha na segunda-feira para fazer uma avaliação do sistema financeiro do país para um informe anual sobre a estabilidade mundial, disse no domingo o Ministério da Economia espanhol.

A preocupação com a exposição de bancos espanhóis com o colapso do setor imobiliário continua alta e é uma das maiores razões para a desconfiança de investidores em relação à Espanha e outras nações periféricas da zona do euro.

Uma porta-voz do ministério negou que seja uma visita do FMI de caráter especial, como foi reportado por jornais locais.

"É uma visita normal dentro da agenda do FMI para elaborar seu informe global de estabilidade financeira, como o fundo fez em outros países da Europa", disse a porta-voz.

A possibilidade de contágio econômico e piora da situação de países importantes da zona do euro têm levado o mercado a duvidar da capacidade de pagamento de países como Portugal, Espanha, Irlanda e Grécia (conhecidos como Pigs pela inicial de seus nomes em inglês e em oposição às economia emergentes do Bric). Há ainda analistas que incluem a Itália na sigla, acrescentando mais uma letra I, aumentando a sigla para Piigs.

A origem dos descontrole financeiro é a falta de fiscalização dos bancos e os gastos governamentais, os enormes defict públicos. Basicamente, o rombo estatal é derivado da ajuda a grandes bancos e de bolhas imobiliárias.

A Espanha vive expectativas negativas em relação a uma crise de dívida pública, que descontrola todo o setor financeiro, que sofre, como toda a Europa, com a falta de fiscalização dos bancos. Basicamente, o rombo estatal é derivado da ajuda a grandes bancos e de uma bolha imobiliária.

O desemprego aumentou 0,6% na Espanha em novembro, segundo divulgação do Ministério do Trabalho no começo de dezembro. O percentual é um dos maiores no continente e representa 24.318 desempregados. No total, o país tem hoje 4,110 milhões de desocupados.

Leia Também