Ministro vai pedir ao Congresso aprovação do marco regulatório para as ONGs

Ministro vai pedir ao Congresso aprovação do marco regulatório para as ONGs
12/03/2014 17:15 - AGÊNCIA BRASIL


O ministro Gilberto Carvalho, da Secretaria-Geral da Presidência da República, disse hoje (12) que recebeu com “tranquilidade” a convocação para prestar esclarecimentos na Câmara dos Deputados sobre denúncias de irregularidades envolvendo organizações não governamentais (ONGs) e a relação delas com o Planalto. Carvalho também informou que vai pedir ao Congresso que acelere a aprovação do marco regulatório que trata das atividades das ONGs, atualmente em tramitação na Câmara dos Deputados.

O ministro admitiu que há erros cometidos pelas ONGs, alguns por falta de estrutura nas entidades e outros por "malandragem". Por isso, defende que a aprovação do marco regulatório no setor vai diminuir as falhas.

Apesar disso, Carvalho argumentou, ao participar do seminário Organizações da Sociedade Civil, que a maioria das ONGs faz bom uso do dinheiro público que recebe. "A maioria faz o bem à sociedade sem receber nenhum tostão do dinheiro público, e me honra muito fazer a articulação com esse setor", disse o ministro.

"Parte das irregularidades cometidas deve-se ao fato de haver vazios na lei ou por excesso de complexidade, por exemplo na prestação de contas, o que dificulta que as organizações da sociedade civil possam praticar a transparência", justificou.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".