Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Ministro nega acerto de cargos em futuro governo

5 AGO 10 - 07h:29
BRASÍLIA

O ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, negou ontem que os partidos que apoiam a candidatura de Dilma Rousseff (PT) à Presidência já estejam partilhando cargos em um futuro governo. “Ninguém tem que pensar o que vai ser discutido depois (das eleições) porque não tem nada definido”, disse.
Padilha reagiu à declaração feita na véspera pelo candidato a vice na chapa de Dilma, deputado Michel Temer (PMDB-SP). Discursando a senadores, o presidente da Câmara afirmou que pretendia “partilhar o próximo governo”. “Não podemos discutir nada que vá além do dia 31 de dezembro. Nós estamos absolutamente focados até o final do ano, que é o contrato que nós temos com o presidente Lula de entregar as obras e ações”, continuou Padilha.
As declarações do ministro foram feitas ao chegar a almoço de deputados da base governista, em Brasília.
Temer também tentou consertar a metáfora sobre a “partilha do pão” que utilizou ao falar com senadores da base aliada e ministros. Ao chegar ao evento, oferecido pelo ex-líder do PR Luciano Castro (RR) a deputados da base aliada e ministros -, ele retificou: “Primeiro temos que partilhar esforços para ganhar a eleição. Dilma é a presidenciável, ela vai decidir o que fazer no governo dela. Não sei o que vai acontecer depois da eleição”, despistou.
Ele se mostrou embaraçado com a repercussão da declaração de anteontem, em que falou sobre partilhar o pão e o futuro governo com os senadores e ministros. “Sou um vice discreto. Quero exercer discretamente minhas tarefas”, declarou. De fato, ontem ele buscou a discrição. Chegou ao final do almoço, por volta das 14 horas, “para dar um abraço no Luciano”, quando a maioria dos convidados já havia saído. Mas, como a imprensa não havia dispersado, ele não escapou das perguntas na saída.
O líder do governo na Câmara, Candido Vaccarezza (PT-SP), também tentou amenizar as declarações do presidente da Câmara sobre a partilha do futuro governo. “Não estamos dividindo governo, não é hora de dividir. Os partidos que participam da aliança têm peso, mas quem definirá a equipe é a presidente Dilma”, afirmou.
Padilha completou que não vê “demarcação de território” nesta fase da campanha eleitoral. O que ele vê, frisou, “é uma aliança ampla, a maior aliança de partidos” apoiando a candidata do PT. Além do PT e do PMDB, mais oito partidos integram a coligação de apoio à Dilma. Entre eles, PSB, PCdoB, PDT, que disputarão com petistas e peemedebistas uma fatia do eventual governo da petista.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Ovos mexidos cremosos serve para o café da manhã ou jantar
RECEITAS

Ovos mexidos cremosos serve para o café da manhã ou jantar

SAÚDE

Café pode ser um aliado na perda de peso

Estudo feito na Universidade da Inglaterra, analisou os efeitos de um copo de café
CIÊNCIA

Pesquisadores defendem abordagem personalizada para o envelhecimento

Estudiosos da Universidade do Arizona sugerem levar em conta todas as variáveis que impactaram a trajetória do paciente
Receita de flan de leite condensado com pêssego
SOBREMESA

Receita de flan de leite condensado com pêssego

Mais Lidas