domingo, 22 de julho de 2018

polêmico

Ministério Público quer ouvir Cristina Mortágua sobre maus-tratos ao filho

10 FEV 2011Por g119h:04

O Ministério Público quer ouvir a ex-modelo Cristina Mortágua sobre as denúncias de maus-tratos a seu filho de 16 anos. Segundo o MP, a Justiça instaurou um inquérito em que reúne reportagens de jornais que davam conta de que o adolescente era agredido pela mãe. Por causa, ela terá que dar esclarecimentos aos promotores sobre o caso.

Cristina Mortágua deixou a carceragem da Polinter de Magé, na Baixada Fluminense, às 20h15 de quarta-feira (9). Ela foi presa em flagrante na segunda-feira (7), por suspeita de desacato, resistência e injúria, mas responderá aos processos em liberdade. A ex-modelo é suspeita de ter agredido o filho e uma delegada da 16ª DP (Barra da Tijuca).

Guarda provisória
Na noite de quarta (9), o Conselho Tutelar informou que sugeriu ao MP que a guarda provisória do filho de Cristina fosse dada à avó materna, já que o jovem estaria numa situação de risco. De acordo com o MP, o Ministério não recebeu nenhuma notificação do Conselho Tutelar.

O G1 entrou em contato com o advogado da ex-modelo, Sylvio Guerra, que informou que ainda não foi notificado pelo MP e que só poderá se pronunciar depois que isso acontecer. Já o filho de Cristina disse que está morando com a avó, mas não quer dar detalhes sobre o caso.

Como aconteceu

A delegada Daniela Rebello da 16ª DP (Barra da Tijuca) diz que levou uma "joelhada" da ex-modelo na altura do estômago após uma discussão.

De acordo com a polícia, o filho de Mortágua foi na segunda-feira à delegacia prestar queixa de agressão contra a própria mãe. Segundo policiais, ele estava acompanhado da empregada doméstica da família . A delegada decidiu ouvir mãe e filho juntos e, durante o depoimento, a ex-modelo começou a gritar e xingar. Segundo a delegada, Mortágua atirou um telefone celular contra o filho. Daniela Rebello, então, solicitou que a ex-modelo saísse da sala.

Aparentemente transtornada, segundo policiais, Mortágua gritou e começou a bater em veículos que estavam no pátio da delegacia. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) chegou a ser chamado, mas a mulher recusou atendimento.

A ex-modelo foi novamente chamada pela delegada, imobilizada e autuada em flagrante. Segundo Willis, o filho deixou a delegacia com a avó materna, após orientação do Conselho Tutelar.

Na terça-feira (8), a ex-modelo foi transferida para a Polinter de Magé por não ter pago a fiança estipulado em R$ 6 mil, e liberada na noite de quarta (9).

Leia Também