CIDADES

Ministério Público poderá cancelar concurso público

Ministério Público poderá cancelar concurso público
26/02/2010 06:47 -


O Ministério Público Estadual (MPE) vai entrar com uma ação Civil Pública na Justiça que poderá resultar na anulação do concurso público realizado no final do ano passado pela Prefeitura de Caarapó para a contratação de 198 servidores administrativos por causa da suspeita de irregularidades. O MPE já notificou extrajudicialmente a Prefeitura para que não proceda a nomeação dos aprovados. A ação é proposta pelos promotores Cláudio Rogério Ferreira Gomes, do Patrimônio Público, e Fabrícia Barbosa Lima, da Cidadania, após comprovada uma i rregu la rid ade n a prova de títulos, que resultou na aprovação de um candidato que não tinha pontuação suficiente para passar no concurso. “Ele apareceu com mais de 20 pontos na prova de títulos, mas, na verdade, a documentação apresentada o credenciava a somar apenas um ponto e meio (1,5)”, afirmou o promotor. O candidato em questão apresentou certificados que não constavam do edital do concurso e, mesmo assim, a pontuação foi creditada pelos organizadores, possibilitando, desta forma, que ele fosse aprovado. De acordo com Cláudio Gomes, várias pessoas procuraram o MPE por causa de irregularidades referentes ao concurso, e uma delas formalizou a denúncia, possibilitando aos promotores iniciarem as investigações. O promotor disse ainda que a própria realização do concurso resulta de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), em 2008, entre a prefeitura e o Ministério Público para evitar contratação irregular de servidores municipais.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".