IRREGULARES

Ministério Público do Trabalho fecha cerco contra carvoarias

Ministério Público do Trabalho fecha cerco contra carvoarias
13/08/2012 00:00 - Anahi Zurutuza


Para acabar com a exploração da mão-de-obra quase escrava, o Ministério Público do Trabalho está “fechando o cerco” contra as fazendas produtoras de carvão da fronteira do Mato Grosso do Sul com o Paraguai. No mês passado, operação conjunta do MPT e o fórum estadual de Saúde, Segurança e Higiene no Trabalho, flagrou 30 trabalhadores paraguaios em condições degradantes de trabalho e um menor de 18 anos em carvoarias de Porto Murtinho, que já foram fornecedoras da MMX.

De acordo com o procurador do trabalho Cicero Rufino Pereira, responsável pelas investigações, é comum encontrar pessoas trabalhando em situação análoga a escravidão em Mato Grosso do Sul, principalmente, em municípios das fronteira com o Paraguai. Isso porque os trabalhadores paraguaios são trazidos para o Brasil com facilidade e, aqui, não são registrados, o que facilita o descumprimento de leis trabalhistas. “Me parece que (esta situação) é lugar comum na região de fronteira”, afirma.  

Leia mais no jornal Correio do Estado

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".