Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Irregulares

Ministério Público do Trabalho fecha cerco contra carvoarias

13 AGO 12 - 00h:00Anahi Zurutuza

Para acabar com a exploração da mão-de-obra quase escrava, o Ministério Público do Trabalho está “fechando o cerco” contra as fazendas produtoras de carvão da fronteira do Mato Grosso do Sul com o Paraguai. No mês passado, operação conjunta do MPT e o fórum estadual de Saúde, Segurança e Higiene no Trabalho, flagrou 30 trabalhadores paraguaios em condições degradantes de trabalho e um menor de 18 anos em carvoarias de Porto Murtinho, que já foram fornecedoras da MMX.

De acordo com o procurador do trabalho Cicero Rufino Pereira, responsável pelas investigações, é comum encontrar pessoas trabalhando em situação análoga a escravidão em Mato Grosso do Sul, principalmente, em municípios das fronteira com o Paraguai. Isso porque os trabalhadores paraguaios são trazidos para o Brasil com facilidade e, aqui, não são registrados, o que facilita o descumprimento de leis trabalhistas. “Me parece que (esta situação) é lugar comum na região de fronteira”, afirma.  

Leia mais no jornal Correio do Estado

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASIL

Ministério da Agricultura divulga registro de 42 agrotóxicos

BRASIL

Dallagnol quis manter planilha da Odebrecht em sigilo, afirma site

Anac suspende concessão da Avianca Brasil e redistribui seus pousos
Celeuma

Anac suspende concessão da Avianca Brasil e redistribui seus pousos

BRASIL

MP de diz perplexo com devolução de demarcação de terras indígenas à Agricultura

Mais Lidas