Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Ministério Público diz que tem promotores para acusar Zeolla

26 MAI 10 - 08h:55
NADYENKA CASTRO

O Ministério Público Estadual (MPE) já tem “candidatos” para atuar na acusação do procurador de Justiça aposentado Carlos Alberto Zeolla, assassino confesso do sobrinho, Cláudio Alexander Joaquim Zeolla. O homicídio aconteceu em março de 2009, em Campo Grande. Com o processo criminal emperrado por falta de promotor de Justiça, o juiz Carlos Alberto Garcete, da 1ª Vara do Tribunal do Júri, solicitou ao procurador-geral, Paulo Alberto de Oliveira, que designasse “com a maior brevidade possível” um promotor para o caso.

De acordo com o procurador-geral adjunto de Justiça, Humberto de Matos Brittes, “dois ou três” promotores se disponibilizaram para trabalhar na ação penal. “Pode ser que seja (promotor) de comarca do interior”, declarou. O procurador-geral adjunto explicou que é natural alguns promotores terem se declarado suspeitos de atuar no caso, pois Carlos Zeolla fez muitos amigos enquanto atuou no Ministério Público. “É natural que alguns se sintam impedidos”, disse.
A acusação de Carlos Zeolla será escolhida pela Procuradoria de Justiça porque dois promotores colocaram-se sob suspeição de trabalhar no processo e outros dois estão em férias. O procurador aposentado é acusado de matar o sobrinho com um tiro e a ação tramitava no Tribunal de Justiça, mas como o réu aposentou-se, o processo agora é de competência da primeira instância.

Saída
Ontem pela manhã, sob escolta da Polícia Militar, Carlos Zeolla saiu da Clínica Carandá, onde se encontra internado desde que ocorreu o crime, para submeter-se a exames cardiológicos na Chácara Cachoeira. A Justiça autorizou a saída do acusado para os exames, permitindo, também, que visitasse a mãe. O pai do procurador, Américo Zeolla, morreu no mês passado. A imprensa descobriu que Carlos Zeolla sairia da clínica e compareceu ao local. Isso fez com que ele deixasse a visita à casa da familiar para outra oportunidade.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Felpuda

BRASIL

Envolvimento de agentes de saúde pode acelerar diagnóstico de câncer

BRASIL

Tratamento para doenças raras precisa de investimentos em pesquisa

BRASIL

Motorista embriagado invade lanchonete, atropela 4 e mata jovem

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião