Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CAMPO GRANDE

Ministério Público apura causa da “buraqueira”

Ministério Público apura causa da “buraqueira”
15/03/2014 00:00 - DA REDAÇÃO


         Em vários pontos da cidade é comum ver buracos no asfalto (Foto: Valdenir Rezende)

O Ministério Público Estadual abriu procedimento preparatório contra o Município de Campo Grande para apurar eventual lesão aos direitos dos contribuintes, supostamente por causa da má aplicação de dinheiro público e ineficiência na execução de obras de pavimentação asfáltica na Capital, segundo reportagem na edição de hoje (15) do jornal Correio do Estado.

A investigação, sob a responsabilidade da 67ª Promotoria de Justiça dos Direitos Humanos, da Pessoa com Deficiência e da Cidadania, foi iniciada em fevereiro deste ano, a partir de denúncia encaminhada pelo portal da Ouvidoria do MPE pelo usuário D. B., por causa dos buracos que tomam conta das ruas da Capital.

Na queixa, ele registra indignação com a situação do asfalto e da sinalização horizontal e vertical de Campo Grande; lembra que o problema vem se arrastando há muitos anos, mas na administração Alcides Bernal se tornou insustentável; critica a péssima qualidade do material utilizado no asfalto da cidade e a inércia do poder público municipal.

“Por conta da grande quantidade de chuvas nos últimos dias, a cidade está tomada por buracos em todas as regiões. São buracos nas vias, ruas sujas, mato crescendo”, consta no registro. A reportagem é de Celso Bejarano.

Felpuda


Sindicalista defende o fim de mordomias e privilégios dos políticos e dos integrantes de outros Poderes, conforme divulgação feita por sua assessoria. Para ele, está na hora de se colocar um basta nessa situação, questionando, inclusive, o número de parlamentares e de assessores. Entretanto, não demonstra a mesma aversão por aqueles dirigentes de sindicatos que se perpetuam no poder e que comandam mais de uma entidade, assim como ele. Afinal, o exemplo deve vir de casa, né?