Campo Grande - MS, sexta, 17 de agosto de 2018

MOBILIDADE URBANA

Ministério das Cidades seleciona projeto da Capital

21 MAI 2011Por CLOALDO SILVA, BRASÍLIA00h:05

O projeto de Campo Grande para o PAC da Mobilidade Urbana - que prioriza o transporte coletivo urbano - foi escolhido ontem para a segunda etapa do processo seletivo realizado pelo Ministérios das Cidades. A capital sul-mato-grossense pleiteia R$ 280 milhões, mas a disputa é grande: capitais e Estados pedem R$ 30,9 bilhões, enquanto a pasta dispõe de R$ 18 bilhões.

Por mais de duas horas, o secretário municipal de Infraestrutura, Transporte e Habitação (Seintrha), João Antônio De Marco; o diretor-presidente da Agência Municipal de Transporte e Trânsito (Agetran), Rudel Espindola Júnior e Antonio Carlos Marchezetti, diretor de operações da empresa Logitrans apresentaram o projeto a técnicos do Ministério e a Diretora do Departamento de Mobilidade Urbana, Luiza Gomide de Faria Vianna.

Rudel Trindade afirmou que "a demanda (da Capital) está próxima ao limite", ao explicar que a frota de 545 ônibus transportam 6,196 milhões de passageiros/mês. Ele lembrou que 72% dos usuários utilizam o cartão eletrônico, sendo que a meta de atingir 100% deverá ser atingida até agosto.

Para ressaltar a eficiência do sistema, Marchezetti destacou que "100% dos passageiros tem integração", mas enfatizou que a velocidade média de deslocamento dos veículos vem caindo. "Era de 20 a 24 quilômetros, hoje está entre 15 e 17 quilômetros por hora, queremos elevar para 20 quilômetros/hora".

No projeto consta que R$ 20 milhões serão para construir cinco terminais; outros R$ 7,5 milhões para reforma de sete unidades; R$ 160 milhões para construção de 68,4 quilômetros de corredores de transporte coletivo; R$ 9,7 milhões para implantar 56 quilômetros de ciclovias; R$ 4,5 milhões para modernização do sistema de controle eletrônico; R$ 67,3 milhões para intervenções viárias; e R$ 9,5 milhões para estações de pré-embarque.

Leia Também