Segunda, 19 de Fevereiro de 2018

combate ao tráfico

Militares ficarão no Rio o tempo que for necessário

1 DEZ 2010Por ESTREITO (MA)01h:45

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse ontem que as Forças Armadas continuarão no combate ao tráfico de drogas no Rio de Janeiro o tempo que for necessário, para garantir a paz. Em entrevista realizada ontem, depois de visitar o canteiro de obras da usina hidrelétrica, no rio Tocantins, Lula ressaltou a parceria entre os governos do Estado e federal, na operação.

Lula também não descartou mandar mais soldados para o Rio, caso seja solicitado. “Se em determinado momento, o comandante da operação entender que é preciso mais gente, nós vamos atendê-lo”, afirmou.

Na manhã de ontem, o governador Sérgio Cabral (PMDB) assinou o pedido formal ao Ministério da Defesa para a permanência das Forças Armadas no Estado até outubro de 2011.

Segundo Cabral, os militares devem permanecer nas comunidades até a instalação de novas UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora). “Eu assinei agora pela manhã um documento solicitando tropas de paz do Exército para que nossa polícia possa continuar fazendo o trabalho de inteligência”, afirmou o governador.

O Complexo do Alemão foi ocupado domingo (28), com o apoio das Forças Armadas, praticamente sem resistência dos traficantes. Na quinta-feira, policiais já tinham entrado na Vila Cruzeiro, favela vizinha ao complexo. As ocupações ocorreram após uma série de atentados ocorridos na cidade, que resultaram em mais de cem veículos queimados.

Fronteiras
Questionado se o governo federal tinha sido negligente na fiscalização das fronteiras, porta de entrada de armamentos, Lula respondeu: “O importante é que estamos trabalhando em conjunto”, referindo-se ao governo do Rio. Ele ressaltou que no seu governo as Forças Armadas passaram a atuar com poder de polícia na vigilância das fronteiras e que fez parcerias com governos vizinhos e está comprando aviões para patrulhamento. “Vamos controlar melhor nossas fronteiras”, disse.

Leia Também