Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Metro quadrado da construção civil sobe 0,48% em março

10 ABR 10 - 21h:05

ADRIANA MOLINA

 

Puxado pela alta nos preços dos materiais básicos, o custo da construção do metro quadrado em março, subiu 0,48%, em relação ao mês anterior em Mato Grosso do Sul. De acordo com o Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi), divulgado ontem, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em parceria Com a Caixa Econômica Federal (CEF), para edificar um imóvel no mês passado no Estado gastou-se, em média, R$ 697,64, variando de R$ 420,85 a R$ 1.129,60, dependendo do padrão do projeto.

O valor representa alta de 6,79% nos últimos 12 meses, o equivalente a cerca de R$ 49. O Sinapi considera apenas os custos com materiais e salários dos trabalhadores na empreitada, excluindo-se as despesas com compra de terreno; execução do projeto; licenças, habite-se, certidões, seguros; administração da obra; financiamentos; lucro da construtora e incorporadora; instalações provisórias; ligações domiciliares de água, energia elétrica e esgoto; depreciações dos equipamentos; equipamentos mecânicos; de segurança, máquinas, ferramentas e fundações especiais.

Alguns materiais de construção, por conta da matéria-prima, sofreram alta em março, principalmente os feitos com barro, como telhas e tijolos. "O mercado aqui no Estado teve um reajuste considerado normal para o período nesses produtos, mas não chegou a 10%", explicou o gerente de uma loja de materiais de construção de Campo Grande, Roberto Bigolin Filho.

Também ficaram um pouco mais caros, segundo o comerciante, as portas, janelas e outros produtos usados nos alicerces, como aço, exceto o cimento, que se manteve estável no período. A alta ainda não é reflexo do fim da redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) no mês passado, já que muitas lojas ainda trabalham com os estoques comprados a preços mais baixos.

Disparada

A tendência é de que a partir deste mês o metro quadrado fique mais caro no Estado. Com o fim dos estoques isentos do imposto e o reajuste no preço da mão de obra, confirmado na última semana, o índice pode disparar em Mato Grosso do Sul até o próximo mês. Segundo o presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Construção Civil e do Mobiliário de Campo Grande (Sintracom), Samuel da Silva Freitas, a média de aumento nos salários dos empregados do setor foi de 9,7%.

"Mas alguns trabalhadores tiveram reajuste maior, de até 11,23%, como no caso dos pedreiros, que passaram de R$ 650 para R$ 723", disse. Quem decidir edificar a partir de agora não terá como garantir a mesma economia de antes, pois os novos salários da mão de obra da construção civil passam a valer em abril, com data retroativa para março e os produtos com isenção devem se esgotar em breve nas lojas, que já registram movimentação mais fraca nesta semana.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Novo código antidoping não punirá consumo de maconha e cocaína
ATLETAS

Novo código antidoping não punirá consumo de maconha e cocaína

Alta no preço da carne alavanca aumento da cesta básica
CAMPO GRANDE

Alta no preço da carne alavanca aumento da cesta básica

Em MS, 130 mil nascidos em setembro e outubro devem receber R$ 50 milhões do FGTS
ANTECIPAÇÃO

Em MS, 130 mil nascidos em setembro e outubro devem receber R$ 50 milhões do FGTS

Corpo encontrado carbonizado no Anel Viário é de adolescente desaparecido
PONTA PORÃ

Corpo encontrado carbonizado é de adolescente desaparecido

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião