Domingo, 18 de Fevereiro de 2018

Meta é ampliar o Programa Saúde da Família

27 SET 2010Por 08h:12

Caso todos os projetos apresentados por Campo Grande sejam aprovados, a cidade terá 60% da população atendida pelo Programa Saúde da Família (PSF), que tem o foco na saúde preventiva, mais próxima do cidadão. A expectativa é de que a Capital ganhe 13 Unidades Básicas de Saúde da Família (UBSF).
“Quando assumi a prefeitura, tinha 13% de cobertura. Vou concluir o mandato com 60%”, destacou o prefeito Nelsinho Trad. Cada unidade custará R$ 400 mil e terá, por ano, R$ 220 mil garantidos para o custeio.
As novas UBSFs contemplarão os bairros Aero Rancho, Ana Maria do Couto, Arnaldo Estêvão de Figueiredo, Azaleia/Jardim Fluminense, Cristo Redentor, Jardim Presidente, Nova Jerusalém, Paulo Coelho Machado, Recanto Gaúcho/São Benedito, Sírio Libanês, Vila Cox, Santa Luzia e Vila Fernandes/Caiobá.

UPAs
Duas novas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), que atendem casos de média complexidade médica, devem ser construídas na Capital, a um custo de R$ 2,6 milhões. A localização será no Jardim da Lapa (próximo ao Trevo Imbirussu), com o objetivo de desafogar o Centro Regional 24h do Guanandy, e na Vila Popular (região da saída para Aquidauana).
Campo Grande tem, em funcionamento, as UPAs do Coronel Antonino e da Vila Almeida. Em fase de conclusão está a UPA do Bairro Universitário, localizada na Avenida Guaicurus, próximo ao terminal de mesmo nome. (ST)

Leia Também