Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

sábado, 16 de fevereiro de 2019 - 15h31min

Mestre Agripino recebe prêmio nacional

23 MAR 10 - 08h:01
Aos 91 anos, dos quais pelo menos 80 dedicados ao cururu – dança que “canta” em desafio ao som da viola de cocho, instrumento artesanal tombado pelo patrimônio histórico –, mestre Agripino Soares de Magalhães ganhou reconhecimento nacional com o Prêmio Culturas Populares 2009. Ele é um dos quatro cururueiros vivos de Corumbá e Ladário a preservar uma das manifestações populares do Pantanal. Único premiado de Mato Grosso do Sul, “seu” Agripino foi selecionado entre mais de três mil inscritos do País (mestres e representantes de grupos/comunidades). O Prêmio Culturas Populares é promovido pela Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural, do Ministério da Cultura. Os 195 contemplados foram anunciados durante o V Encontro Mestres do Mundo, realizado em Limoeiro do Norte (CE). “Nossa brincadeira agora está sendo valorizada, lutamos muito para conseguir esse apoio”, diz o velho mestre, sentado na varanda, aos fundos da casa, no Bairro da Cervejaria, ao lado da esposa, dona Maria Madalena, 81, e da neta Sílvia Helena. Esta, estudante de pedagogia, foi a responsável pelo projeto inscrito no concurso – um vídeo caseiro contando o trabalho do avô, de violeiro e fazedor da viola. Aposentado como estivador (trabalhou no porto de Corumbá, no auge do comércio fluvial), pai de dez filhos, o cururueiro aprendeu o ofício desde menino com o avô, em Poconé (MT), onde nasceu, e diz que perdeu a conta de quantas violas fez. “Pra mais de 300”. Hoje, por causa da idade, prefere apenas tocar. “A madeira (ximbuva) está difícil e o pessoal não quer pagar o merecido”, reclama. Único grupo Morando em Corumbá há mais de 60 anos, “seu” Agripino e mais seis companheiros, alguns da vizinha Ladário, mantiveram mais por amor e teimosia uma cultura oriunda de negros e indígenas, desprezada na própria região. O grupo se resume a quatro integrantes, com a morte, no ano passado, dos irmãos Brandão. “Os da minha época já raparam o pé, estou aqui firme ainda”, brinca o mestre. O cururu, segundo a professora e pesquisadora Marlei Sigrist, foi considerado, anteriormente, uma dança de homens associada a cultos religiosos ou profanos. Atua lmente, resume-se ao encontro de violeiros improvisando versos ou acompanhando o siriri, uma dança de roda na qual é permitida a presença da mulher. Ambos estão inseridos na celebração do tradicional Banho de São João. Cultura viva Nas últimas décadas, com a “descoberta” do cururu e do siriri por meio de gravações de discos e documentários, surgiram movimentos e propostas para sua preservação, em especial a arte de confeccionar a viola. Um dos trabalhos mais recentes nesse sentido nasceu no Moinho Cultural Sul-Americano, escola de artes criada há cinco anos com gestão da Ong IHP (Instituto Homem Pantaneiro), em Corumbá. A escola não apenas contratou o mestre violeiro para ensinar os alunos de música o feitio do instrumento e como tocá-lo. A viola de cocho, num total de oito, foi incorporada à Orquestra Vale Música, em formação com o apoio da OSB (Orquestra Sinfônica Brasileira) e Fundação Vale. O emprego e a oportunidade de ensinar deixam “seu” Agripino orgulhoso. “Fico feliz quando a criançada toca”, diz, emocionado.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

FIM DA ANGÚSTIA

Familiares de mulher que teve o corpo furtado realizam terceiro sepultamento

Rosilei Potronieli, de 37 anos, foi assassinada na semana passada em Terenos
MEIO AMBIENTE

Ministro contraria Ibama e diz que plantação em área indígena não é ilegal

Ambulância é arrombada e furtada  em pátio da Central de Regulação
CAMPO GRANDE

Ambulância é furtada em pátio da Central de Regulação

Goleiro Jefferson afirma não ter sido chamado para seleção por racismo
FUTEBOL

Goleiro Jefferson afirma não ter sido chamado para seleção por racismo

Mais Lidas