Sexta, 23 de Fevereiro de 2018

PARQUE LAUCÍDIO COELHO

Mesmo com polêmica, moradores do Jockey Clube lamentam decisão da Justiça

26 JAN 2011Por EVELYN SOUZA16h:06

Em meio à polêmica que se criou com a decisão da Justiça em cancelar a realização de shows musicais dentro do Parque de Exposições Laucídio Coelho, moradores do bairro Jockey Club se mostram contrários à proibição, mesmo com a justificativa do Ministério Público Estadual (MPE) de que os eventos agridem o plano ambiental com a poluição sonora.

“A única diversão que nós
temos é esse barulho ai

Salvador Pereira, de 52 anos, morador das imediações do Parque é um dos moradores contra a decisão. “A única diversão que nós temos é esse barulho ai”. Ele fala sobre a tristeza dos danos provocados pela chuva e do descaso que as autoridades têm com o bairro. “Passamos por cada uma aqui, quando chove isso vira uma tristeza, fica tudo alagado. O que nos sobra de diversão são esses shows”.

“Transformo minha marcenaria em estacionamento
e ganho cerca de R$ 600 em cada show.
Vou ficar no prejuízo


Viviane Escobar, 34 anos, é umas dos responsáveis por uma marcenaria, localizada na esquina do parque. De acordo com ela a decisão não beneficia os moradores. “Em época de exposição, ganhamos cerca de R$ 2.500 abrindo o nosso espaço e transformando-o em estacionamento”. Viviane conta ainda que mora no bairro Jockey Club e que às vezes reveza o serviço de estacionamento com o irmão. “ Nos dias em que não venho trabalhar no estacionamento fico em casa. O barulho não me incomoda nem um pouco”. Ela conta ainda que chega a ganhar R$ 600 por dia, quando são realizados os shows.

A auxiliar de cozinha, Rosana Fernandes, 49 anos, não sabia da notícia. ”Quando tem show é que escutamos músicas boas”. Rosana, que mora com duas filhas adolescentes de 17 anos e com o marido, conta que ninguém se importa com o barulho. “Minhas filhas vivem lá e eu escuto daqui”, diz ela.

A aposentada Jucelina de Carvalho Neto, 75 anos, mora quase na esquina do local. Ela também afirma que o barulho não a atrapalha. “O que me preocupa um pouco são as brigas que às vezes podem acontecer, mas eu tranco a minha casa direitinho e vou me deitar. E mesmo com o barulho da música consigo dormir normalmente”.

A empresa de construção, Brookfield também não estava sabendo da decisão do Tribunal de Justiça. A única informação repassada ao Portal Correio do Estado foi a de que os shows realizados no parque valorizam os imóveis do bairro.

Leia Também