domingo, 15 de julho de 2018

BRASIL

Mercado de espumante atrai investimento com alta do consumo

8 MAR 2011Por folha00h:01

O brasileiro está bebendo mais espumantes. Entre 2005 e 2010, o consumo no país cresceu 65% e atingiu 16,8 milhões de litros -considerando bebidas nacionais e importadas. Somente em 2010, o aumento foi de 17%.

Ao contrário do segmento de vinhos finos --no qual os estrangeiros representam 80% das vendas--, nos espumantes o domínio é nacional. Os importados são apenas 20% do mercado.

Por isso, o crescente interesse dos brasileiros pela bebida faz as vinícolas nacionais investirem para atender ao consumo potencial.

Apesar da significativa expansão -em dez anos o crescimento foi de 160%-, o consumo per capita de espumantes no país ainda é irrisório: o brasileiro toma menos de uma taça por ano.

Em 2010, o consumo per capita foi de 0,09 litro ou 90 ml -inferior a uma taça de espumante (100 ml). Em países que são referência nesse mercado, como França e Espanha, o consumo é de 46 e 18 taças por ano, respectivamente, o que revela um grande potencial para um país que também almeja posição de destaque nesse mercado.

"Podemos, com tranquilidade, manter a média de crescimento de consumo entre 10% e 20% ao ano nos próximos 15 anos, o que pode levar o consumo brasileiro a 50 milhões de litros", afirma Henrique Benedetti, presidente da Uvibra (União Brasileira de Vitivinicultura).

EFEITO CLASSE C

O aumento da renda da população e, especialmente, a ascensão da classe C são os principais estímulos ao crescimento. "Quando o dinheiro permite, o consumo aumenta", afirma Júlio Fante, presidente do Ibravin (Instituto Brasileiro do Vinho).

Segundo ele, a maior taxa de crescimento está nos rótulos com preços de até R$ 30 -a entidade não divulga dados por faixas de valor.

Adriano Miolo, diretor do Miolo Wine Group -que tem em seu portfólio bebidas de R$ 14,90 a R$ 390-, confirma que a expansão é mais significativa nos itens mais baratos. "O consumidor que tomava a sidra de R$ 5 está migrando para o espumante de R$ 10 ou R$ 15", afirma.

NO LUGAR DA CERVEJA

Além do aumento da renda, o setor aposta na redução da sazonalidade do mercado. O objetivo é que o espumante deixe de ser uma "bebida de festa" e passe a ser uma opção para todo o ano.

Os esforços já vêm apresentando resultados. A concentração das vendas de espumantes no quarto trimestre caiu de 66%, em 2004, para 53% no ano passado.

O verão é o período com a maior taxa de crescimento. O volume de vendas entre o primeiro trimestre de 2004 e o mesmo período de 2010 aumentou 251% -a expansão do quarto trimestre foi de 84%, no mesmo intervalo.

Os números refletem ações promocionais para o consumo da bebida a qualquer hora, até na praia.

Nesta temporada, a Miolo colocou em praias de Santa Catarina um carrinho semelhante aos de picolé para vender, por R$ 10, garrafas de 250 ml de espumante, servido em taças de acrílico.

A ação começou em 2010 e neste ano foi reforçada. A expectativa da empresa para este Carnaval é vender 5.000 garrafas de espumante nas praias catarinenses.
 

Leia Também