Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

Supremo

Mensalão é 'agilizado' em recesso

29 JUL 12 - 15h:19Gq

Mesmo com direito a 30 dias de recesso durante julho, vários dos 11 ministros do Supremo Tribunal Federal usaram o tempo livre para trabalhar no processo do mensalão, que começa a ser julgado na próxima quinta-feira (2). A expectativa gerada em torno do caso obrigou os magistrados a alterarem suas rotinas para mergulhar nas 50.389 páginas da ação que decidirá sobre a culpa ou inocência de 38 réus suspeitos de envolvimento no suposto esquema de compra de votos parlamentares no início do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Em um ano em que a mais alta Corte do país analisou pautas polêmicas, como a validade da Lei da Ficha Limpa e a legalidade do sistema de cotas, cada um dos ministros do STF traçou cronogramas próprios para conseguir esmiuçar o imenso volume de provas, relatórios e alegações produzidos ao longo de sete anos de investigações.

O relator do processo, ministro Joaquim Barbosa, que entregou seu relatório em dezembro de 2011, usou os dias de folga para um ajuste fino em seu voto. Depois de seis anos à frente da ação, Barbosa aproveitou o mês para se distanciar dos holofotes: se isolou nos Estados Unidos por quatro semanas para rever detalhes do caso, retornando ao Brasil só na última quarta (25).

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

De volta, frente fria chega nesta segunda-feira em MS
PREPARA O GUARDA-CHUVA

De volta, frente fria chega nesta segunda-feira em MS

Fácil de preparar, crústeles tem versões doce e salgada
SABOR ITALIANO

Fácil de preparar, crústeles tem versões doce e salgada

Sobrevivente da tragédia da Chapecoense, Neto anuncia aposentadoria aos 34 anos
ZAGUEIRO

Sobrevivente da tragédia da Chapecoense, Neto anuncia aposentadoria aos 34 anos

CLÁUDIO HUMBERTO

“Justiça não pode criminalizar atividade empresarial”

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião