Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Mel sul-mato-grossense terá rastreamento

11 MAR 10 - 08h:31
Mato Grosso do Sul deve ser o primeiro Estado brasileiro a ter 100% da produção de mel georreferenciada, rastreada e com garantia de qualidade. A meta é chegar a esse montante em cerca de três anos, através da implantação do Programa Nacional de Georreferenciamento Apícola, que foi apresentado ontem, pela Confederação Brasileira de Apicultura (CBA), em Campo Grande. O objetivo é cadastrar 1,3 mil apicultores do Estado, que hoje produzem cerca de 650 toneladas ao ano, e fazer um diagnóstico da atividade, que deve se tornar base para projetos de capacitação e ainda regulamentação da apicultura. Cada apiário terá demarcação geográfica feita por GPS. Informações, como origem (localização e produtor), serão colocadas em banco de dados nacional, tornando possível o rastreamento dos produtos. Dessa forma a apicultura sul-mato-grossense começará a fazer parte de um processo de organização da atividade nacional, que hoje conta com oito estados, entre eles, Rio de Janeiro, Bahia, Rio Grande do Sul e Pará. “Inicialmente será um cadastro, mas depois queremos atingir a rastreabilidade, que é uma tendência mundial e já ocorreu com a carne bovina”, explica o presidente da CBA, José Gumercindo Corrêa da Cunha. Segundo ele, outros países já saíram na frente com projetos parecidos. “No ano passado, em um congresso na França, a Turquia apresentou algo similar. Mas o nosso está bem mais completo”, afirma, lembrando que o Brasil é hoje o 11º em produção de mel e 5º em exportação, e vendeu ao exterior, em 2009, cerca de 25 mil toneladas, totalizando US$ 65 milhões. É certo de que um produto rastreado, com garantia de qualidade, é muito mais valorizado no mercado internacional, porém, Mato Grosso do Sul, ao implantar o georreferenciamento não pretende avançar nesse campo. Conforme o coordenador da Câmara Setorial da Apicultura do Estado, Gustavo Nadeu Bijos, as exportações sul-mato-grossenses são insignificantes e a meta hoje é incentivar a comercialização local, por meio de campanhas de consumo. Atualmente uma pessoa ingere cerca de 60 gramas de mel por ano. “Pretendemos chegar a 100 gramas por pessoa ao ano”, conta, explicando que produtos rastreados trarão mais segurança alimentar através da garantia de qualidade. Além disso, com o mel e outros produtos da apicultura rastreados, os produtores poderão ter remuneração cerca de 20% maior.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Presos em operação tentaram extorquir R$ 5 milhões de vítimas
OPERAÇÃO EXTORTIO

Presos em operação tentaram extorquir R$ 5 milhões de vítimas

MEC divulga horário de provas do Enem em cada estado
EVITE ATRASO

MEC divulga horário de provas do Enem em cada estado

Crise do PSL trava projeto de reforma do Hotel Campo Grande, diz prefeito
PARADO

Crise do PSL trava projeto de reforma de hotel, diz prefeito

Não posso esperar o presidente resolver crise partidária, diz Marcos Trad
CRISE NO PSL

Não posso esperar o presidente resolver crise partidária, diz Marcos Trad

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião