Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

domingo, 17 de fevereiro de 2019 - 12h59min

Médicos trocam socos na hora de parto

25 FEV 10 - 04h:29
Dois médicos trocaram socos, depois de discutir, na disputa para fazer um parto. A gestante, que assistiu à cena, deu à luz um bebê morto e o caso, que ocorreu às 23h de segunda-feira no Hospital Municipal de Ivinhema, está sendo investigado pela polícia como “morte a esclarecer”. O pai da criança, o bombeiro militar Gilberto de Melo Cabreira, 32 anos, disse à polícia que na ocasião levou sua esposa Gislaine de Mato Rodrigues Santana, 32, para o hospital onde seria feito o parto do filho. A mãe foi acompanhada pelo médico Orozimbo, que era o responsável pelo pré-natal e faria a cirurgia cesariana da gestante. O profissional teria iniciado os trabalhos quando o méd ico pla nton ist a do hospital, identificado como Sinomar, entrou na sala e passou a discutir com Orozimbo. Ele teria desaprovado o fato de o médico de Gislaine estar à frente da cesaria na. O desentend imento evoluiu e os médicos se agrediram na frente da paciente que estava em trabalho de parto. O procedimento foi interrompido e, retomado apenas uma hora depois quando um terceiro médico fez o parto do bebê, que nasceu morto. Para os pais, a criança morreu porque a gestante ficou nervosa em função da briga. Conforme o delegado Lupércio Degerone Lucio, foi instaurado um inquérito para apurar se o desentendimento entre os profissionais foi o que provocou a morte da criança. “A placenta foi encaminhada à biópsia e o feto submetido a exame necroscópico”, explicou. De acordo com nota de esclarecimento divulgada pela Prefeitura de Ivinhema os médicos eram plantonistas do hospital e foram “dispensados” após o episódio. Questionado, o assessor jurídico do Conselho Regional de Medicina (CRM), André Borges, disse que deverá ser instaurada sindicância para apurar se os profissionais deixaram de agir conforme o código de ética da categoria e, se condenados podem até ter o diploma cassado.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

PREÇOS DOS COMBUSTÍVEIS

Após três quedas seguidas, gasolina volta a subir em Campo Grande

Etanol apresentou redução e diesel ficou estável, segundo ANP
Candidatos chegam mais cedo por preocupação com mudança no horário
CONCURSO PÚBLICO

Candidatos chegam mais cedo por preocupação com horário

Em janeiro, 490 empresas foram abertas em Mato Grosso do Sul
ECONOMIA REGIONAL

Em janeiro, 490 empresas foram abertas em Mato Grosso do Sul

Em MS, 12 escolas estaduais oferecerão aulas em tempo integral
ENSINO MÉDIO

Em MS, 12 escolas oferecerão aulas em tempo integral

Mais Lidas