Campo Grande - MS, quarta, 15 de agosto de 2018

PLANOS DE SAÚDE

Médicos fazem mobilização hoje na Capital

7 ABR 2011Por da redação07h:59

Mato Grosso do Sul paralisa hoje o atendimento médico aos planos de saúde. Neste dia os profissionais não realizarão consultas e outros procedimentos. Os pacientes previamente agendados serão atendidos em nova data e todos os casos de urgência e emergência receberão a devida assistência. O protesto acontece pela defesa da saúde suplementar, pela prática segura e eficaz da medicina, e especialmente por mais qualidade na assistência prestada aos cidadãos.

No Estado, o ato está sendo organizado pelo SinMed-MS (Sindicato dos Médicos), CRM-MS (Conselho Regional de Medicina) e AMMS (Associação Médica). Segundo o presidente do sindicato, Marco Antônio Leite, é preciso agir contra o tratamento desrespeitoso dos planos de saúde com os médicos e pacientes. “Não podemos mais aceitar a forma com que a saúde suplementar vem sendo conduzida. Dia sete acontece o primeiro ato de paralisação e se for preciso faremos outros até que as condições atuais se revertam”, protesta o presidente.

Para o presidente do CRM-MS, Juberty Antônio de Souza, as entidades médicas estão convictas de que é preciso mobilizar toda a sociedade para a campanha, pois a população e os médicos são os maiores prejudicados com a forma em que está sendo conduzida a política dos planos de saúde.

Atualmente, as operadoras intervêm de forma direta no trabalho médico, criando barreiras para o pedido de exames e internações, solicitando antecipação de altas e transferência de pacientes, entre outras ações prejudiciais à qualidade no atendimento e tratamento.

Outro motivo da paralisação é em relação aos honorários médicos, pois nos últimos dez anos os repasses foram irrisórios, enquanto as operadoras aumentaram o valor da mensalidade para o cliente com porcentagens acima da inflação. “Hoje em dia montar clínica fica praticamente inviável para o profissional, os custos são altíssimos o retorno é pouco e o desgaste físico e mental se torna cada vez mais frequente”, explica o presidente do SinMed-MS.

A partir das 8 horas, os médicos estarão na Praça da República realizando ato de protesto. Em seguida vão participar de audiência pública na Assembleia.

Leia Também