quarta, 18 de julho de 2018

EDUCAÇÃO

MEC divulga a última chamada do Sisu

13 FEV 2011Por UOL07h:46

O MEC (Ministério da Educação) divulgou neste domingo (13) a terceira e última chamada do Sisu (Sistema de Seleção Unificada) 2011.

Acesse seu boletim para ver seu resultado no Sisu

A matrícula para os aprovados deve ser feita diretamente nas instituições nos dias 15 e 16 de fevereiro. 

Caso o aluno não tenha sido selecionado, ele pode manifestar interesse para a lista de espera. Se o candidato foi aprovado em sua primeira opção na primeira ou na segunda chamadas, foi automaticamente retirado do sistema, fazendo ou não sua matrícula na instituição. Ou seja: ele não poderá participar da lista. Atenção: para entrar na lista, é obrigatório manifestar o interesse. As instituições, no entanto, não são obrigadas a utilizar a relação.

A declaração pode ser feita no site do Sisu já a partir deste domingo, até o próximo dia 17 deste mês.

Problemas
O Sisu foi marcado por problemas de informática e uma batalha judicial que continuou até depois de o sistema ter fechado, em 20 de janeiro. Questionado sobre as falhas, o ministro da Educação, Fernando Haddad, afirmou que o ministério precisa reforçar sua área de infraestrutura de tecnologia da informação.

Haddad negou ainda que tenha havido falha de planejamento. Ele disse que aguarda, em menos de 30 dias, resultado de uma auditoria para saber a origem dos problemas no sistema. Adiantou, no entanto, que suspeita que o erro tenha origem na configuração de uma das máquinas que foram substituídas no meio do processo. “Sei o que não causou: não foi falta de planejamento, nem [falha de] internet, nem rede, nem capacidade de rede, não foi aplicativo”, disse.

Superior Tribunal de Justiça
Em 21 de janeiro, o STJ (Superior Tribunal de Justiça) cassou todas as liminares das Justiças Federais dos Estados contra o Sisu. “Juízes de primeira instância estavam tomando decisões incoerentes entre si. Isso torna qualquer procedimento executivo inviável”, disse Haddad em entrevista coletiva. “Como pode o Poder Público atender uma e deixar de atender a outra?”, questionou.

Segundo o STJ, seria um risco manter as decisões das Justiças Federais dos Estados, por representar um “conflito de competências”. A decisão foi do ministro Félix Fischer, que afirmou que “o deferimento indiscriminado de liminares” para prorrogar prazos do Sisu iria ter impacto no calendário das instituições, “ocasionando, também, prejuízos àquelas instituições e estudantes que se valem do Prouni (Programa Universidade para Todos)”.

Leia Também