segunda, 16 de julho de 2018

VACAS

Matrizes exigem cuidados neste período anterior ao da reprodução

25 OUT 2010Por 14h:28

Depois de enfrentar um longo período de estiagem que reduziu a oferta de alimentos pela queima das pastagens e deixou muitos pecuaristas preocupados, as chuvas voltaram e junto com ela a esperança da retomada da produção. O pecuarista mal terminou de colocar a vida em ordem e já está trabalhando nos preparativos para a próxima estação reprodutiva que começa nos próximos meses.

Além de deixar toda a infra-estrutura preparada, este também é o momento de cuidar do rebanho a fim de preparar touros e matrizes para enfrentar os desafios da estação de monta que dura, em média, entre 90 e 120 dias. Nesse trabalho o planejamento nutricional estratégico, que trata individualmente cada categoria animal, é fundamental para garantir o sucesso da reprodução. Para Lauriston Bertelli, diretor técnico da Premix, separar os animais por categoria deve ser a primeira ação do produtor, pois dessa forma é possível manejar o rebanho atendendo às necessidades específicas dos animais.

Segundo Bertelli, um programa nutricional de melhoria dos índices reprodutivos deve começar pelas novilhas, que merecem cuidado especial na recria. Com categorias de fêmeas jovens - idade variando entre 14 a 18 meses, que terão sua primeira experiência na vida reprodutiva - a preocupação maior é voltada à condição corporal, sanidade e bom desenvolvimento do aparelho reprodutivo.

Com outra categoria de vacas, as primíparas - fêmeas que acabaram de enfrentar os desafios nutricionais da gestação, parto e precisam produzir leite para amamentar o bezerro – a necessidade nutricional é maior com relação a alguns macro e micro nutrientes essenciais. "Suplementação de fêmeas jovens, para antecipar o início de sua vida reprodutiva ou para assegurar a reconcepção após o parto, pode contribuir para aumentar muito o índice de prenhez. É recomendável iniciar a suplementação de pré-monta para as fêmeas de primeira e segunda crias trinta dias antes da monta", ressalta Bertelli.

Para esses animais a sugestão é o uso de um suplemento energético-mineral que fornece energia extra para fêmeas em reprodução, com vistas ao aumento na manifestação de cio, ovulações e consequentemente maior número de prenhezes. A suplementação com aditivos específicos, como a monensina, permite corrigir o balanço energético negativo e melhorar o índice de prenhez, sem onerar muito os custos.

As vacas multíparas, que desenvolveram ao máximo seu corpo, irão se reproduzir e criar seu bezerro, também possuem necessidades nutricionais peculiares. Tanto a suplementação de primíparas quanto multíparas visa melhoria na eficiência reprodutiva e à produção de bezerros mais robustos. O produto destinado a esses animais deve conter energia, proteína, minerais e aditivos, como leveduras e aminoácidos. "Dessa forma, melhoramos o escore corporal de fêmeas que se encontram debilitadas, eliminamos o risco de descartar vacas e aumentar o número de animais gestantes na fazenda", ressalta Lauriston.

Para essa categoria, é indicado um suplemento mineral com aminoácidos, especialmente aos animais manejados nos mais variados tipos de pastagens e dietas. "Este produto corrige desbalanços nutricionais, proporcionando melhores condições reprodutivas e melhor resposta imunológica", destaca o diretor técnico.

 

Leia Também