Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Cenas de Campo Grande

Mato Grosso do Sul, minha terra!

18 FEV 10 - 06h:35
Por várias ocasiões me senti sul-mato-grossense, mesmo tendo nascido no interior de São Paulo. São vários os momentos que revelam se você é ou não “nativo” ou mesmo se passou a chamar o local onde mora de “minha terra” depois de anos habitando uma cidade que não é seu berço. Mas, um episódio bastante especial sobre minha identidade sul-matogrossense ocorreu recentemente durante uma sessão de cinema. A exibição aconteceu durante o 7º Festival de Cinema de Campo Grande (FestCine Pantanal, realizado em janeiro) na noite de comemoração dos “100 Anos de Cinema em Campo Grande”, no Cine- Cultura. O filme em questão era “Alma do Brasil” (na foto, uma das cenas) – a primeira produção cinematográfica realizada na região sul do então Mato Grosso. Lançado em 1931, é inspirado em romance de Visconde de Taunay sobre o episódio da Retirada da Laguna na Guerra do Paraguai, com direção de Líbero Luxardo. O evento celebrava a primeira exibição de cinema na cidade, ocorrida em 1910. No entanto, não constam informações sobre qual foi a película exibida naquele dia. “Alma do Brasil” já havia sido mostrado outras vezes em Campo Grande, mas esta sessão teve acompanhamento musical feito pelo pianista Adriano Magoo – uma vez que o filme é mudo. A sala do CineCultura estava superlotada – tanto que ainda houve sessões extras com a obra. As cenas das batalhas no campo, fome, a miséria dos brasileiros que lutaram na guerra, em terras onde hoje situa-se Mato Grosso do Sul, foram comovendo o público presente até que o hino do Estado, na partitura de Magoo, fez cada um naquela sala sentir-se um pouco sul-mato-grossense. O belíssimo hino do Estado foi escolhido por concurso e instituído pelo Decreto nº 3 de 1 de janeiro de 1979. A letra é de Jorge Antônio Siufi e Otávio Gonçalves Gomes, enquanto a música tem autoria de Radamés Gnattali – famoso arranjador, compositor e instrumentista brasileiro. Gnattali (1906 – 1988) compôs músicas com Tom Jobim e tinha no círculo de amizades músicos como Cartola, Heitor Villa-Lobos e Pixinguinha. Por dois momentos, o hino foi tocado. As imagens na telona retratando o sofrimento daqueles que estavam em guerra para proteger o território, em consonância com aquela melodia, soaram como uma aula de história, retrato de um passado que não é comumente invocado pelo lirismo da linguagem cinematográfica. Somos bombardeados com histórias estrangeiras e como consequência é comum pensarmos que outros países têm mais histórias de luta, ou mesmo detêm mais sentimento de patriotismo do que aquele povo que não dispõe de ferramentas como roteirizar guerras e transportálas ao mundo do cinema, no qual as sensações são afloradas. Se a execução de um hino é a expressão máxima de respeito à terra, então eu naquele momento, ouvindo aquele belíssimo hino e assistindo às cenas de ficção que tratavam um período tão tenso para o território – poderíamos estar falando espanhol hoje – era a sul-mato-grossense mais orgulhosa da sala. Confesso que ainda não sabia a dimensão do meu afeto pelo Estado, que sem dúvida, é a minha terra.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Motoqueiro avança preferencial e morre ao bater na lateral de ônibus
JARDIM LEBLON

Motoqueiro morre ao
bater na lateral de ônibus

SUMIU

Mulher desaparece ao visitar amigo no bairro Nova Lima

Vítima estava em um veículo Palio e não retornou para casa desde a noite de ontem
Mega-Sena acumula e vai pagar <br>R$ 31 milhões no próximo sorteio
NÃO FOI DESSA VEZ!

Acumulada, Mega-Sena vai pagar R$ 31 milhões na quarta

Dono de centro automotivo é executado com sete tiros na fronteira
AÇÃO DE PISTOLEIROS

Dono de centro automotivo
é executado com sete tiros

Mais Lidas