Marisa encontra Odilon para discutir projeto eleitoral

Marisa encontra Odilon para discutir projeto eleitoral
04/03/2010 05:01 -


A senadora Marisa Serrano e o presidente regional do PSDB, deputado Reinaldo Azambuja, devem se reunir no fim de semana com o juiz federal Odilon de Oliveira para prosseguir com a discussão de projeto eleitoral iniciada na última segunda-feira (1). Odilon foi sondado para concorrer ao Governo do Estado ou mesmo ao Senado se o PMDB apoiar a candidatura da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, para a sucessão presidencial. Azambuja confirmou ontem a conversa com Odilon sobre a possibilidade de o magistrado disputar o governo ou o Senado pelo PSDB. Ele deixou claro ao juiz que as portas do partido estão abertas para concorrer à eleição. Mas não deu nenhuma garantia, explicou Azambuja, de o juiz disputar o governo. “Fiz apenas uma sondagem”, comentou. “Não fizemos nenhum convite oficial (a Odilon), foi apenas uma conversa”, atenuou. “Destaquei que a prioridade do partido é manter a aliança com o PMDB, mas estamos prontos para concorrer ao governo, no caso do PMDB apoiar a Dilma”, contou o tucano. “Se isso acontecer nós vamos ter candidatura própria e a Marisa é a nossa candidata. O Murilo seria um dos indicados ao Senado. Neste caso, sobraria outra vaga, que poderia ficar para o Odilon”, explicou Azambuja. Ele acrescentou também a possibilidade de Marisa abrir mão de concorrer ao Governo se Odilon aceitar substituí-la na disputa. “Isso depende de decisão pessoal da senadora”, afirmou. “A nossa candidata número 1 é a Marisa, levando em conta sua densidade eleitoral, mas ela pode abrir mão para Odilon. Depende dela”, concluiu.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".