domingo, 15 de julho de 2018

Marco abre dia 14 a 4º temporada de Exposições do ano

9 DEZ 2010Por Da Redação14h:58

Terá início na próxima terça-feira (14) no Museu de Arte Contemporânea (Marco) em Campo Grande, a 4ª Temporada de Exposições 2010 que terá cinco mostras: Narrativas Privadas – pinturas do artista plástico de Brasília – Fábio Baroli, Nus, instalação de Priscilla Pessoa, Queime o Castelo! Colagens e pinturas digitais de Maíra Espíndola, e a coletiva, Aluga-se, com artistas de São Paulo e Campo Grande.

Nesta edição da temporada de exposições 2010, o Marco apresenta as pinturas do artista plástico brasiliense, Fábio Baroli. O artista participou da coletiva de pinturas e fotografias, Presenças de cor, ao lado dos conterrâneos - Camila Soato, Isabela Alves, Luiza Mader, Márcio Mota e Moisés Crivelaro – na primeira temporada de exposições.

Para o próximo vernissage, Baroli, apresenta a proposta individual de pintura com obras significativas da série Narrativas Privadas. Trabalhos compostos por trípticos e polípticos, com pinceladas bem marcadas, possibilitando ao público uma relação íntima com o que é privativo; bem como unir fruidor, obra e conteúdo. “Cada trabalho é realizado através do mesmo princípio: a pintura como linguagem, a apropriação como método e o erotismo como tema.”, diz o artista.

Na instalação, Nus da campo-grandense Priscilla Pessoa, a artista faz um convite ao visitante para que escreva sua confissão mais íntima, aquela que o faz sentir-se nu, sem que precise sair do anonimato. Esses segredos serão escritos em papel adesivo e depositados em uma caixa lacrada no dia do vernissage, e, após, colados na parede formando um grande painel com retratos dos recônditos íntimos da vida dessas pessoas. O painel de retratos tem continuidade nos banheiros do museu, onde molduras estarão em branco, possibilitando ao público compartilhar suas confissões anônimas.

Queime o Castelo! São colagens e pinturas digitais de Maíra Espíndola; que procura explorar a reconstrução dos mitos, das fábulas e dos contos de fadas, onde as personagens, mosaicos de ensinamentos, se misturam às vivências humanas na proposta de trabalho da artista; reorganizando valores, e, assim, novas imagens. Maíra utiliza a técnica da colagem e da pintura digital, a partir de fotografias disponíveis na internet e nos lança o desafio de encontrá-las.

Ainda nesta temporada o museu apresenta a coletiva, Aluga-se, com treze artistas de São Paulo – Adriana da Conceição, Evandro Prado (Campo Grande, residente em São Paulo), Ana Zveibil, Rosilene Fontes, Bettina Vaz Guimarães, Fabiano Soares, Giba Gomes, Lia Wurzmann, Mai-Britt Wolthers, Renata Cruz, Roberto Fabra, Mirian de Los Angeles, Yara Dewachter e os artistas de Campo Grande – Nilvana Mujica e Mauro Yanase. Aluga-se é composto por um grupo que trabalha e reside em São Paulo, tendo como objeto de estudo a arte contemporânea. Os artistas visam à itinerância, expondo em diversos espaços e cidades e à interação com artistas locais. O nome da coletiva veio da primeira exposição em uma casa, característica dos anos 50, que estava para alugar. O grupo lá se instalou, durante seis meses, planejando, reformando a casa e montando a exposição.

A quarta temporada estará aberta à visitação de terça a sexta das 12h às 18h. Sábado, domingo e feriado das 14h às 18h. Mais informações no Museu de Arte Contemporânea que fica na Rua Antônio Maria Coelho, nº 6000, no Parque das Nações Indígenas. Mais informações no telefone (67) 3326-7449.
 

Leia Também